ATOS 4.23-31 – UMA ORAÇÃO REVELADORA! SERMÃO 11

Atos 4.23-31

23 Quando foram soltos, Pedro e João voltaram para os seus e contaram tudo o que os chefes dos sacerdotes e os líderes religiosos lhes tinham dito.

24 Ouvindo isso, levantaram juntos a voz a Deus, dizendo: “Ó Soberano, tu fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há!

25 Tu falaste pelo Espírito Santo por boca do teu servo, nosso pai Davi: ‘Por que se enfurecem as nações, e os povos conspiram em vão?

26 Os reis da terra se levantam, e os governantes se reúnem contra o Senhor e contra o seu Ungido’.

27 De fato, Herodes e Pôncio Pilatos reuniram-se com os gentios e com os povos de Israel nesta cidade, para conspirar contra o teu santo servo Jesus, a quem ungiste.

28 Fizeram o que o teu poder e a tua vontade haviam decidido de antemão que acontecesse.

29 Agora, Senhor, considera as ameaças deles e capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente.

30 Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus”.

31 Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus.

GRANDE IDEIA: A oração da igreja revela urgência; compreensão das Escrituras e disposição para pregar o evangelho sob a direção do Espírito Santo.

INTRODUÇÃO:

                O que você faria se, por pregar o evangelho, fosse maltratado, espancado, preso e ameaçado de morte?

                Em muitos lugares no mundo, cristãos sofrem perseguições violentas apenas por crerem em Jesus. Nos últimos dias, recebi um vídeo de cuba, em que uma pessoa foi presa por evangelizar, acusação contra esta pessoa era ser cristão e pregar outro deus, que não fosse o deus Fidel Castro.

                No Brasil, em alguns lugares, muitas pessoas são perseguidas de forma violenta. Mas, nos últimos anos, temos sido perseguidos de forma velada, ao sofrermos as zombarias à nossa fé, ao existirem pessoas infiltradas em nosso meio para conduzir muitos a crerem noutro evangelho que não o que a Bíblia apresenta.

                Pedro e João estavam diante das lideranças religiosas e políticas de sua época. A mensagem pregada por eles era ofensiva. Se olharmos para o contexto, veremos que a preocupação dos governantes não era nem a acusação de que haviam matado a Jesus, mas o fato de afirmarem que ele havia ressuscitado e que era o Cristo. Contudo, mesmo presos e debaixo de ameaças, aqueles irmãos continuaram firmes, reafirmando seu compromisso de proclamar Jesus, como o Cristo ressuscitado, o salvador de todo aquele que crê.

                Ao saírem da cadeia, a igreja se reúne é neste encontro após os relatos do ocorrido, a festa deles é marcada pela oração, e o que aprendemos com isso? Aprendemos que a A oração da igreja revela urgência; compreensão das Escrituras e disposição para pregar o evangelho sob a direção do Espírito Santo.

                Vamos analisar estes 3 pontos:

  1. A oração motivada pela consciência de urgência.

23 Quando foram soltos, Pedro e João voltaram para os seus e contaram tudo o que os chefes dos sacerdotes e os líderes religiosos lhes tinham dito.

24 Ouvindo isso, levantaram juntos a voz a Deus, dizendo: “Ó Soberano, tu fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há!

                Algo que merece destaque logo no início desta passagem é o fato da igreja, assim que recebeu a informação do que aconteceu com os apóstolos, se colocar em oração unânime. Observe que Lucas escolheu palavras para descrever o episódio. Ele afirma que “levantaram juntos a voz a Deus”, o que nos faz imaginar que tinham o mesmo propósito e ideal; e que estavam orando movidos pelo Espírito Santo, numa unidade tal, que nos deixa envergonhados com nossas atitudes para com a oração na atualidade.

                É relevante que a igreja tenha considerado que os fatos exigiam mais oração. Eles tiveram uma sensação de urgência. O que aconteceu aos apóstolos era uma ameaça à existência da igreja e à pregação do Evangelho. Eles precisavam do poder de Deus sobre suas vidas para que o trabalho não parasse.

                Muitas vezes nossas reuniões de oração estão marcadas por uma busca para que Deus atenda nossos interesses pessoais. Deus, para muitos crentes, se resumiu a solucionador de problemas pessoais. Algumas pessoas nas igrejas não compreendem que a existência da igreja implica no cumprimento de uma missão urgente: ser testemunha da ressurreição de Cristo, compartilhando a oportunidade de salvação às pessoas de todo lugar, visando sua salvação em Cristo. Esta é a razão primária da existência da igreja neste mundo. Fazer discípulos. Fazer novos adoradores para adorarem ao Pai em espírito e em verdade.

                Você tem orado pela salvação de quantas pessoas? Quais são aquelas pessoas que Deus está motivando você a dobrar joelhos e chorar por elas? Eu fico olhando algumas pessoas no templo e percebo que a atenção delas não está voltada em aprender mais da Palavra para poder compartilhar com alguém. Estão no templo, mas sua atenção está voltada para si mesmas. A vinda aqui é apenas para cumprir um programa. Precisamos sair desta condição e compreender a urgência da missão que nos foi confiada. Precisamos de crentes que amem tanto a Cristo que sejam capazes de enfrentar as lutas e perseguições, buscando o poder de Deus em oração, para que o Espírito Santo nos conduza a ações que resultem em glória de Deus, edificação da igreja e salvação dos perdidos.

  • A oração como resultado do entendimento das Escrituras.

25 Tu falaste pelo Espírito Santo por boca do teu servo, nosso pai Davi: ‘Por que se enfurecem as nações, e os povos conspiram em vão?

26 Os reis da terra se levantam, e os governantes se reúnem contra o Senhor e contra o seu Ungido’.

27 De fato, Herodes e Pôncio Pilatos reuniram-se com os gentios e com os povos de Israel nesta cidade, para conspirar contra o teu santo servo Jesus, a quem ungiste.

28 Fizeram o que o teu poder e a tua vontade haviam decidido de antemão que acontecesse.

                Na oração feita pela igreja, o Salmo 2 é citado. Orar a Palavra de Deus sempre foi um conselho que deve ser seguido por nós, pois nos dá compreensão do que Deus deseja e o que devemos orar. Nesta oração, enquanto a Palavra de Deus é citada nos versos 25 e 26; a igreja compreende que o que estava acontecendo naquele momento era uma realização clara das Escrituras. “Os reis da terra se levantam, e os governantes se reúnem”. Estas palavras do salmista são aplicadas a Herodes, Pôncio Pilatos, gentios e as lideranças de Israel na cidade de Jerusalém. Estes foram os responsáveis pela condenação de Jesus à morte de cruz. O verso 27 continua dizendo: “contra o Senhor (Deus, o Pai) e o seu Ungido “Jesus, o Cristo”. Eles agora entendem o salmo 2 como algo que está se cumprindo na pessoa de Jesus, o messias, o cristo (ungido) e, neste aspecto, reconhecem que os fatos são consequência do plano eterno de Deus. Tudo era resultado do poder e vontade de Deus em estabelecer seu plano.

                Nesta oração, somos informados que Deus está dirigindo a história. Deus está no controle. Veja o verso 28: “Fizeram o que o teu poder e a tua vontade haviam decidido de antemão” A morte e ressurreição de Jesus não foram acidentes de percurso, mas foram cumprimento do plano de Deus de salvar a cada um de nós, nos ofertando a oportunidade de arrependimento e nos presenteando com a fé que nos conduz à salvação em Jesus.

                Como é diferente a oração de alguém que está conhecendo o plano de Deus nas Escrituras, de alguém que compreende o que Deus está revelando e fazendo neste mundo. As nossas orações precisam conter mais do que a Palavra do Senhor nos ensina. Precisa ser fruto de entendimento da vontade do Senhor. Precisamos orar mais conforme este plano eterno de Deus de salvar a humanidade por meio de Cristo e pela pregação do Evangelho, responsabilidade confiada a mim e a você, os crentes em Cristo, a igreja.

  • A oração que revela disposição em obedecer a missão de testemunhar

29 Agora, Senhor, considera as ameaças deles e capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente.

30 Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus”.

31 Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus.

                A igreja sabia que haveria mais ameaças e perseguições. Mas aqueles irmãos só tem um propósito na vida: cumprir a missão que receberam de Jesus. Eles receberam a missão de testemunhar da ressurreição de Jesus em todo o mundo, mas cumprir essa tarefa era algo mais perigoso do que imaginavam. O mundo pecador rejeita a Deus, odeia a Jesus. A mensagem do evangelho incomoda aos que rejeitam seus ensinos. Eles não apenas discordam do que pensa a igreja, eles desejam eliminar a igreja da face da terra. Mas aqueles irmãos oram para continuarem a anunciar a Palavra de Deus corajosamente.

                Deus, disseram eles em oração, considera as ameaças deles. Eles querem silenciar a igreja. Eles querem que parem de pregar, ou que falem apenas em espaço trancados, mas os irmãos oram para que Deus os capacite a anunciar a Palavra. Pedem também para que Deus estenda a mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do santo servo Jesus. Aqui não é uma questão de interesse pessoal, não importa quem Deus iria curar ou como realizaria os sinais. O importante era Deus agir para que sua palavra alcançasse os corações sem Cristo.

                O que tem ocupado seus pensamentos? Se você é um cristão o mundo te odeia. Ele deseja sua morte, sua liquidação completa. E embora Deus ame as pessoas deste mundo e deseja a salvação delas, ele nos avisa para não vivermos em amizade com suas práticas ou nos tornaremos inimigos do Senhor. O que tem ocupado suas orações? Questões pessoais? A igreja em atos ora para ter capacitação e coragem para pregar o evangelho, ainda que isso fosse arriscado e ainda que fosse a causa das suas mortes? É assim que você tem orado? Esses são motivos reais em seu coração?

                Meus irmãos, a Palavra está convidando cada um de nós a um novo patamar de oração, ou, pelo menos, a orarmos pelos interesses do reino de Deus. Essa passagem é um convite a oração por capacitação para falar de Jesus Cristo, morto pelos nossos pecados, mas ressuscitado e capaz de salvar todo aquele que nele crê e se arrependa de seus pecados. Sabe aquela pessoa que você ama, mas ainda não ajudou para que ela conheça a Jesus. Ela irá para o inferno sem Cristo! Isso não te incomoda?

                Ao terminarem a oração, o lugar tremeu e eles foram cheios dos Espírito Santo. É interessante notar algo aqui. Eles não são mais batizados com o Espírito, agora eles precisam ser cheios do Espírito, essa expressão indica uma vida totalmente submissa ao Espírito, o que tornará o crente em condições de temor a Deus e desejo de pregar o evangelho. Quando ficaram cheios do Espírito, eles saíram para pregar o evangelho. Eles poderiam ser presos e mortos por fazerem isso, mas eles não se importavam. Cristo era mais importante.

                O que tem sido importante na sua vida? Ganhar dinheiro? Comprar coisas? Ah meus irmãos, como eu gostaria de fazê-lo entender e acreditar que Cristo é tudo que precisamos e que ele tem que ser anunciado, ainda que isso nos cause prejuízo. Será que você compreende essa verdade?

CONCLUSÃO:

                A oração da igreja revela urgência; compreensão das Escrituras e disposição para pregar o evangelho sob a direção do Espírito Santo.

                Há esperança para as pessoas e essa esperança é Jesus! Ele dá vida eterna, ele cuida de nós, ele cura, ele salva, ele nos dá seu Espírito Santo e nos enche da sua presença. Ele nos capacita a cumprir a missão, porque tudo que Deus exige de nós ele já nos deu no Evangelho.

                Mas há uma missão: você precisa falar de Jesus sob qualquer preço. Vamos orar por isso?

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *