PENTECOSTES – O ESPÍRITO SANTO – O PODER DE DEUS CHEGOU. ATOS 2.1-13 – SERMÃO 4

PENTECOSTES

ESPÍRITO SANTO: O PODER DE DEUS CHEGOU!

ATOS 2.1-13

1 Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar.

2 De repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.

3 E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

4 Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.

5 Estavam morando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu.

6 Assim, quando se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que foi tomada de perplexidade, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

7 Estavam atônitos e se admiravam, dizendo: — Vejam! Não são galileus todos esses que aí estão falando?

8 Então como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna?

9 Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judeia, Capadócia, Ponto e Ásia,

10 da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem,

11 tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes. Como os ouvimos falar sobre as grandezas de Deus em nossas próprias línguas?

12 Todos, atônitos e perplexos, perguntavam uns aos outros: — O que será que isso quer dizer?

13 Outros, porém, zombando, diziam: — Estão bêbados!

GRANDE IDEIA:  A chegada do Espírito Santo é um fato histórico, que edifica a igreja e a capacita proclamação do evangelho.

INTRODUÇÃO:

                Chegamos no capitulo 2 de Atos. Vimos como Lucas deixa claro que este livro é uma continuação do Evangelho que ele havia escrito anteriormente. Vimos também que Atos mostra que o Cristo ressuscitado continuou agindo, mas agora na vida de sua igreja e debaixo do poder do Espírito Santo.

                Segundo Lucas, em 1.3; Jesus, ressuscitado, vivo, apareceu e deu instruções aos apóstolos durante 40 dias após a ressurreição, entre elas, a ordem de ficar em Jerusalém e esperar até que eles fossem batizados no Espírito Santo. O objetivo, expresso em 1.8 era que eles tivessem poder para testemunhar da ressurreição de Jesus em Jerusalém, Judéia e Samaria e até aos confins da terra. E foi ao final destes 40 dias que Jesus foi para o céu. 10 dias mais tarde, no dia de Pentecostes, o poder de Deus estava chegando. A Igreja teria sua inauguração oficial e, glorificando a Deus, proclamaria seu evangelho a todo o mundo.

                Verdades que podemos aprender neste texto:

1. A CHEGADA DO ESPÍRITO SANTO É UM FATO HISTÓRICO IMPORTANTE.

1 Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar.

2 De repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.

3 E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

                Após a partida de Jesus, durante 10 dias os apóstolos e os demais discípulos de Jesus ficaram morando em Jerusalém. Eles estavam sempre reunidos e oravam. Foi numa dessas reuniões que escolheram Matias como apostolo no lugar de Judas Iscariotes. Agora cumpriu-se o dia de pentecostes. Pentecostes significa quinquagésimo. Era o nome dado a uma festa judaica que era comemorada 50 dias após a páscoa. Os judeus tinham 3 festas fixas para celebrarem anualmente, todas ordenadas por Deus em Levítico 23. A páscoa, a Festa das Primícias e a Festa de Pentecostes. Se você for um leitor atento da Bíblia, vai se lembrar que Jesus foi chamado de Cordeiro de Deus por João Batista, e de Cordeiro pascal, por Paulo. Isso porque a morte de Jesus se deu nos dias da festa de páscoa. A festa das primícias era comemorada no dia seguinte ao sábado da páscoa. Ou seja, no primeiro dia da semana, dia em que Jesus ressuscitou. Vai guardando as informações. Por isso Paulo em 1 Coríntios 15, chama Jesus de as primícias dos que dormem”; Pentecostes era celebrada 50 dias depois, o que dava 7 semanas + 1 dia. Ou seja, o Pentecostes também caia no primeiro dia da semana. Por isso os cristãos cultuam a Cristo no domingo, primeiro dia da semana, porque Jesus ressuscitou no domingo e a chegada do Espírito Santo também foi num domingo.

                Segundo Wiersbe, na orientação bíblica para as festas, na Festa das Primícias, os judeus moviam um feixe de grãos diante de Deus, mas em Pentecostes, eles apresentavam dois pães. A vinda do Espírito Santo em dia de Pentecostes, batizou os cristãos e os colocou em um só corpo que é o corpo de Cristo. Wiersbe entende que os judeus receberam esse batismo em Pentecostes, e os cristãos gentios, na casa de Cornélio (Atos 10). Assim, podemos aplicar a ordem de oferecer dois pães ao Senhor (judeus e gentios), na festa do Pentecoste.

                Algumas questões merecem destaque neste 3 primeiros versos:

A. Eles obedeceram à ordem de Jesus. (2.1 – todos reunidos num mesmo lugar)

                Os cristãos permaneceram em Jerusalém e reunidos num mesmo lugar. Eles oravam muito, como vimos no capítulo 1. Eles buscaram muito a presença do Senhor em oração.

B. A chegada do Espírito Santo foi uma ação exclusivamente divina. (v.2)

2 De repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.

                O Espírito veio “de repente e do céu”. Nada que pudesse ser controlado pelos discípulos. Não era uma decisão deles o dia que o Espírito deveria vir. Jesus não deu data, apenas mandou esperar.

C. A chegada do Espírito foi perceptível.

                Veio com um som, como de um vento impetuoso, de uma forte ventania, e esse vento encheu a casa onde estavam. Eles puderem ver e sentir o que estava acontecendo. Tanto no hebraico como no grego, a palavra espírito tem a ver com vento. Ruach no hebraico e pneuma no grego dão essa compreensão.

                Estava bem claro que este era um momento marcante na vida da igreja. Um momento inesquecível para todos os que creram e serviram a Jesus. Tinha que ser registrado e Lucas o fez.

2. A PRESENÇA DO ESPÍRITO SANTO ENCHEU E EDIFICOU A IGREJA.

3 E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

4 Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.

                Entre as coisas que ainda mostram a ação visível do Espírito Santo foram também a manifestação das línguas, com aparência de fogo, que pousaram sobre cada um deles, trazendo como resultado o enchimento do Espírito Santo e a capacidade para falar em outras línguas, conforme a permissão do Espírito.

                É importante ressaltar que o Espírito Santo não foi criado neste momento. Ele é Deus e já estava ativo desde a eternidade. Ele estava no relato da criação em Gn 1.1,2; Vemos a ação do Espírito em todo Velho Testamento e na vida e ministério de Jesus. Mas o que mudou então com o acontecimento de Atos 2?

                Antes o Espírito Santo apenas entrava e saía das pessoas. Quando Davi, no salmo 51, pede a Deus que não retire dele o Espírito, é porque, de fato, isto acontecia no Velho Testamento. Mas agora, o Espírito estava sendo derramado sobre a igreja. Fomos batizados nele, literalmente, fomos mergulhados no Espírito.

A presença do Espírito Santo, à partir do dia de Pentecostes, se tornou definitiva conosco. A palavra batizar também tem a ideia de identificação com algo, e, neste caso, o Espírito Santo identificou a igreja com o Cabeça, com o Cristo Exaltado, e deu início ao corpo espiritual de Jesus, que é a igreja.

                Após o batismo, a igreja é cheia do Espírito Santo. Ela é edificada no poder que Deus nos deu e agora começa a glorificar, a adorar a Deus em várias línguas.

Neste aspecto, é preciso esclarecer que, neste momento, a igreja não está pregando o evangelho, apenas está adorando a Deus. E que eles falavam em línguas ou idiomas conhecidos, e não estranhos.  Rapidamente, é preciso compreender que as palavras no original grego trazem “heteros” e “glossa”. A tradução literal poderia ser diferentes linguagens, diferentes idiomas. Vamos compreender melhor isso na sequência do texto.

3. O ESPÍRITO SANTO CAPACITA A IGREJA PARA A PREGAÇÃO

5 Estavam morando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu.

6 Assim, quando se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que foi tomada de perplexidade, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

7 Estavam atônitos e se admiravam, dizendo: — Vejam! Não são galileus todos esses que aí estão falando?

8 Então como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna?

9 Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judeia, Capadócia, Ponto e Ásia,

10 da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem,

11 tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes. Como os ouvimos falar sobre as grandezas de Deus em nossas próprias línguas?

12 Todos, atônitos e perplexos, perguntavam uns aos outros: — O que será que isso quer dizer?

13 Outros, porém, zombando, diziam: — Estão bêbados!

                Porque a vinda do Espírito Santo trouxe, à igreja, a capacidade de falar em outros idiomas? Observe o verso 5. As pessoas que moravam em Jerusalém eram judeus, piedosos, mas que haviam morado em outros países, com linguagem própria. O som que marcou a chega do Espírito sobre a igreja reunida, foi ouvido pela multidão que estava na Festa. E quando eles ouvem os cristãos falando em outros idiomas, eles identificam as palavras como sendo a linguagem dos países de onde eles vieram ou nasceram.

                Eles não tinham respostas. Se eram galileus, a ideia talvez fosse algo do tipo. “são pessoas simples, sem muitos estudos, e agora são poliglotas?” à partir do verso 9, eles começam a alistar as regiões de onde eles vieram, e portanto, dariam classificação para os idiomas falados pelos cristãos.

                Duas reações merecem destaque: 1. Todos estão ouvindo a igreja falar sobre as grandezas de Deus em seu próprio idioma. Aqui o Senhor começa a capacitar a Igreja para a proclamação do evangelho a todo mundo. Eles estão perplexos, assustados, impressionados. Mas Deus continua lhes falando através da igreja. Mas há ainda outra reação, 2. Houve os que zombassem e os considerassem bêbados. Talvez estes fossem judeus que não conheciam outros idiomas e que, por não entenderem as falas, os consideravam bêbados. Aqui a zombaria era grande, pois ainda eram 9 da manhã e os judeus não comiam nem bebiam antes desta hora. Além disso, a palavra para a bebida era mosto, ou seja, o suco de uva, recém tirado da fruta que ainda estaria no início do processe de fermentação, ainda não era o vinho. Era como se dissessem: esse povo cedo de manhã, já está bêbado e com suco de uva.

                Mas veremos na continuação do texto, que eles estavam enganados, o que eles não compreendiam e zombavam, era o poder de Deus se manifestando e preparando a igreja para a proclamação do evangelho.

APLICAÇÕES:

A chegada do Espírito Santo é um fato histórico, que edifica a igreja e a capacita proclamação do evangelho.

  1. Não sabemos o conteúdo as orações feitas pelos cristãos naqueles 10 dias entre a subida de Jesus e a descida do Espirito, então não se pode afirmar que eles oravam para pedir o batismo no Espírito. Esse foi um ato histórico e não vai se repetir. Assim como Cristo morreu na cruz e ressuscitou e isto não vai se repetir na história, tendo validade até hoje para a nossa salvação; também o batismo com o Espírito também foi outro fato histórico que não será repetido, e todos que creem em Jesus são batizados no Espírito Santo.
  2. Não somos instruídos na Bíblia a orarmos pedindo o batismo com o Espirito, somos orientados a nos encher do Espirito, e isso inclui orações, palavra de Deus e adoração. Paulo ensinou que devemos abandonar o vinho, onde há descontrole e pecado, e nos encher do Espírito, falando entre nós com Salmos, hinos e cânticos espirituais.
  3. A presença do Espírito capacitou a igreja para atingir todas as nações com a pregação do Evangelho. Temos o Espírito Santo e temos a responsabilidade fazer discípulos de todas as nações.
  4. Há alguém que hoje pode estar zombando da sua fé, por não compreender a ação de Deus. Ore por ele! Fale do que Deus fez em sua vida, fale para esta pessoa sobre a morte e ressurreição de Jesus, e que, ela precisa arrepender-se e crer nele para salvação dos pecados.
Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *