1 Pedro 3.8-12 Amor que traz bênção!

Exposição em 1 Pedro

Tema Geral: Em meio às lutas da vida, Cristo é a nossa esperança!

AMOR QUE TRAZ BÊNÇÃO!

 

1 Pedro 3.8-12

8 ​Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes,

9 ​não pagando mal por mal ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo, pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de receberdes bênção por herança.

10 ​Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente;

11 ​aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la.

12 ​Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males.

 

GRANDE IDEIA: O amor cristão resulta em bênção, aprovação e socorro de Deus.

 

INTRODUÇÃO:

 

Você está preparado para o pior ou para o melhor? Pergunte aí à pessoa do seu lado. Quando lemos esta carta temos a exata compreensão de que as coisas não estavam boas para os cristãos a quem a carta fora escrita. Eles estavam sofrendo, além das dificuldades comuns da vida, a perseguição por serem cristãos. E, ao que tudo parece no texto, eles ainda iriam sofrer fortes tribulações. Mas Pedro escreve para que eles não estivessem preparados para o pior e sim, para o melhor! Sim, Pedro os prepara para o sofrimento vindouro com um olhar otimista.

Volte seus olhos para o texto. Qual o propósito destes conselhos? O que Pedro queria com estas instruções que começaram ainda no capítulo 2. Veja que ele deu instruções sobre o respeito às autoridades constituídas (2.13); ele orientou como os escravos deviam tratar seus senhores (2.18), e nós aproveitamos esse conselho para falar da nossa relação de empregado e patrão; ele orientou sobre casamento e as funções das mulheres (3.1-6) e os maridos (3.7). Mas onde começou tudo isso? Tudo começou em 1Pe 2:12 que diz assim: “mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação”. Pedro está nos dizendo que, no meio do sofrimento e das perseguições, nosso modo de agir irá ajudar pessoas a conhecerem a Cristo. Este é o alvo! Glorificar ao Senhor em tudo que fazemos! Pedro deseja que experimentemos as melhores bênçãos nos piores momentos da vida, e ele nos dá instruções sobre isso.

Vamos ver mais algumas delas:

 

  1. Amar para ser abençoado.

8 Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes,

9 não pagando mal por mal ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo, pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de receberdes bênção por herança.

 

Amor é um tema que se repete no Novo Testamento. Todos os apóstolos e evangelistas escreveram sobre este assunto. Pedro, no entanto, tem uma experiência pessoal com o assunto. Na sua história de vida, Pedro afirmou que iria com Jesus até para a prisão ou para a morte (Lc 22.33,34). E quando Jesus foi preso, Pedro querendo defende-lo, cortou com uma espada a orelha de um dos soldados (João 18.10); Mas, depois de demonstrar toda essa coragem, ele negou conhecer a Jesus (Mc 14.66-72) e chorou por isso. Após a ressurreição de Jesus, Pedro tem um reencontro com o mestre à beira mar. E as palavras de Jesus foram: Pedro, você me ama mais do que os outros? (João 21.14-17). Veja que amor a Cristo é algo que Pedro teve que aprender por duras provas. Ele sabia do que estava falando.

Ele deseja que os cristãos, os escolhidos de Deus, mesmo sob as mais duras provas, agissem com amor a Deus e aos outros, com a finalidade de conduzir os incrédulos à fé em Cristo e a glorificarem a Deus.

A palavra finalmente no verso 8 pode ser entendida como “em resumo”. Ele está agora finalizando seus ensinos dizendo que tudo que foi dito até agora sobre nosso procedimento como filhos de Deus no meio de um povo incrédulo se resume em praticar o amor que recebemos de Cristo. E como podemos aplicar esse amor em nossos relacionamentos?

  1. Ser de igual ânimo. Isso significa em ser de uma mesma mentalidade, concordantes. Noutras palavras, indica que em meio à diversidade, precisamos cooperar uns com os outros no cumprimento da nossa missão de fazer Cristo conhecido neste mundo. Wiersbe1 conta que “Um homem criticou os métodos de evangelismo de D. L. Moody, que, por sua vez, respondeu: “Estou sempre pronto para melhorar. Que métodos vocè usa?” O homem confessou que não tinha método algum! “Então eu fico com o que tenho”, disse Moody”. Não importam os métodos, desde que não sejam contrários à Bíblia, todos podem ajudar no cumprimento da missão.
  2. Ser Compadecido. Esta palavra traduz a palavra que deu origem a nossa palavra simpatia. A ideia é sentir o que o outro sente. Pedro nos orienta a não endurecer nosso coração em relação ao nosso irmão. Devemos e podemos compartilhar tantos lutas como alegrias, pois somos advertidos a que amemos uns aos outros no amor de Deus. É isto que nos torna fraternalmente amigos.
  3. Ser misericordioso. A tradução aqui fala de ter “fortes entranhas”. Ter misericórdia é sentir a miséria do outro, é compartilhar com as dores do outro. É preciso escolher amar para fazer isso.
  4. Seja Pedro fala então de humildade. Só vou conseguir amar alguém se eu julgar que esse alguém é mais importante que eu. Humildade é uma característica de quem pensa nos outros em primeiro lugar.

 

No verso 9, parece que Pedro está nos lembrando que devemos amar também os incrédulos, os nossos inimigos. Aqueles primeiros leitores desta carta sofriam perseguições pessoais apenas por fazerem a vontade de Deus. Mas Pedro os convoca a amar seus inimigos. Ele convoca os crentes a irem além do que a justiça pode promover. Pagar mal por mal é uma resposta humana aos nossos problemas, é apenas cumprir as leis, é apenas ter uma sensação de justiça. O mal recebe o mal, o bem recebe o bem. Mas, em Cristo, somos convidados a pagar o mal com o bem, somos convocados a sermos misericordiosos, pois é assim que Deus nos tem tratado.

Se formos maltratados, devemos tratar bem. Se formos injuriados, se falam mal de nós, nós devemos falar bem, elogiar, motivar. Pedro experimentou os dois lados da história, como vimos antes. O Pedro nervoso, impulsivo, que queria cortar a cabeça dos outros, agora aprendeu que crente ama o inimigo, ora e trabalha pela sua salvação. Sofre bendizendo, abençoando, pois foi chamado para isso.

Mas, talvez você pergunte: Qual a vantagem de fazer assim? De somente sofrer as afrontas? As dores? Pedro termina o verso 9 dizendo que teremos bênção como herança. Deus nos abençoará. Não me pergunte o que é esta bênção. Apenas creia – bênção é a herança de Deus para você! Diga isso para a pessoa do seu lado!

A perseguição, as provações, as lutas, o sofrimento presente, são um tempo de crescimento espiritual e de enriquecimento espiritual. Estas situações e nossa resposta a elas, podem nos trazer muitas bênçãos.

 

  1. Amar para obter aprovação e socorro do Senhor.

10 Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente;

11 aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la.

12 Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males.

 

Você quer ser feliz? Creio que todos responderão que sim. Na verdade, todas as pessoas estão em busca da felicidade. Mas alguém já afirmou que felicidade é uma palavra que começa com fé. E eu acrescento, fé em Cristo. Sim, é a fé em Cristo que traz a verdadeira felicidade, porque em Cristo, temos, além da certeza e convicção de salvação e da eternidade em paz com Deus, também temos orientações para a vida.

Pedro nos convida a amar a vida. Pedro apela para que os cristãos tenham vontade de viver e de ver o lado bom das coisas. Assim, como os cristãos a quem a carta foi escrita inicialmente, nós também vivemos tempos de perseguição, de sofrimentos por causa da nossa fé em Jesus. Mas mesmo que o mundo considere que os dias atuais são terríveis, nós cristãos, podemos vê-los como dias felizes, por termos conosco o Senhor Jesus. Sei que para muitos a vida é um peso terrível; estas pessoas apenas vivem, elas apenas suportam a situação por que não tem esperança. Outras, tentam fugir da vida, há até os que querem desistir de viver. Mas Pedro nos convida a desfrutar a vida, na consciência de que Deus controla todas as coisas, de que Ele está presente e de que isto nos basta. Mas é só pensar em coisas boas e tudo estará resolvido? Claro que não! O que Pedro nos diz aqui é olhar a vida pela perspectiva de Deus e da eternidade. A felicidade começa com a fé. Ame a vida. E para isto, há algumas dicas:

 

  1. Cuidado com o que fala – “refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente”. Muitos dos nossos problemas são fruto das coisas que falamos. E muito sofrimento resulta de palavras erradas, ditas pela motivação ou espírito errado. Como disse o salmista “Põe guarda, SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios”. (Salmo 141.3). Paulo disse que a nossa boca deve falar apenas coisas que são boa para edificação dos outros.
  2. Evite o mal e faça o que é bom – “aparte-se do mal, pratique o que é bom” – Uma das coisas que me chama atenção na Bíblia é que deixar de fazer algo errado nunca é suficiente, sempre somos convocados a fazer algo certo. Paulo fala sempre em despir-se do velho homem, e revestir-se do novo. Pedro faz igual. Ele convida você a deixar toda prática errada e substituí-la por toda prática boa e aprovada por Deus.
  3. Busque a paz com dedicação – “busque a paz e empenhe-se por alcançá-la”. De que tipo de paz, Pedro está falando aqui? A paz pode vir da tranquilidade da alma salva em Cristo e da sua certeza do céu. No entanto, o contexto nos fala de paz em relacionamentos. Aqui me parece ser a mesma ideia de Paulo quando disse: “Se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” (Rm 12:18). Creio que a ideia aqui seja a de uma forma de agir em que façamos de tudo para não criar problemas sem necessidade. A paz não pode ser conseguida a qualquer preço, porque a paz verdadeira é baseada em ações justas, corretas. Por isso, que Pedro afirma que devemos nos empenhar para alcançar a paz. Como um caçador que corre para pegar a sua presa, assim devemos fazer em relação a paz. É literalmente, correr atrás de ações, palavras, atitudes, de tudo que possamos fazer para promover a paz.

 

Agora, porque devemos fazer estas coisas? Pedro responde no verso 12 “Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males”.

Noutras palavras, para alcançar a aprovação e o socorro do Senhor. Ele está nos vendo. Deus está olhando sua vida e ouvindo suas orações. Mas apenas para quem, em Cristo, tem aprendido a amar.

 

CONCLUSÃO:

                O amor cristão resulta em bênção, aprovação e socorro de Deus.

                A vida pode ser ou estar difícil. Mas lembre-se, prepare-se para o melhor.

Em meio às lutas da vida, Cristo é nossa esperança! Ele nos ajuda.

Então, Como Cristo amou você, ame também. Ame para ser abençoado, ame para ter a aprovação e o socorro do Senhor.

Ame viver! Saiba que nada de ruim neste mundo pode tirar de você a sua herança eterna. Na mansão de Deus, há um quarto reservado para você!

Viva a vida na perspectiva da eternidade. Ame a Cristo, ame sua família, ame sua igreja, ame seus inimigos. Vamos trabalhar para que mais vidas sejam edificadas e salvas.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *