Filipenses 2.5-11 Ser como Cristo – Minha Alegria!

Filipenses 2.5-11

5 ​Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,

6 ​pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus;

7 ​antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,

8 ​a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.

9 ​Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome,

10 ​para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra,

11 ​e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

GRANDE IDEIA: O verdadeiro cristão tem alegria quando imita a Cristo todo dia.

INTRODUÇÃO:

 

Quando lemos toda a carta de Paulo aos filipenses, vemos logo que era uma igreja boa, comprometida com a obra missionária, mas que sofria com problemas externos, como a perseguição religiosa que havia levado Paulo à cadeia, e também com problemas internos, tais como a quebra da unidade da igreja. Como resolver este problema?

Para Paulo, a solução dos problemas na igreja está em Cristo. Sejam eles externos ou internos será sempre em Cristo que encontraremos os meios, os recursos para vivermos cada situação na vida. A razão dos nossos problemas é sempre o pecado e a solução dos nossos problemas é sempre Jesus Cristo.

Para ensinar a igreja em Filipos, Paulo mais uma vez une conhecimento teológico com prática. Ele não apenas escreveu uma das mais belas passagens bíblicas sobre Jesus, mas nesta passagem, mostrou aqueles irmãos o exemplo de Cristo. Assim, não basta apenas conhecer Jesus, é preciso imitá-lo.

                Nesta passagem que nos fala tanto sobre Jesus e sua humilhação ao se tornar nosso salvador, Paulo nos ensina 3 verdades importantes para a vida.

  1. 1.JESUS ABRIU MÃO DOS SEUS DIREITOS EM FAVOR DE MIM.

6 pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus;

               

                Quando leio esta frase (vamos ler de novo?), bom, aqui o texto me faz lembrar o momento da queda do homem em Gênesis 3. Ali no Jardim do Éden, Satanás, por meio da serpente, tentou Eva afirmando que se ela comesse o fruto proibido, ela se tornaria igual a Deus. A história que a Bíblia registra que é atribuída a Satanás em Isaías 14.14 diz “Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo”.

            Desejar ser igual a Deus sempre foi uma marca de Satanás e da humanidade caída pelo pecado. Agora Paulo está nos dizendo que Jesus que era Deus, não considerou que deveria se apegar a esta forma.

            Nos originais, a expressão traduzida com forma descreve algo que não pode ser mudado, algo que é inalterável. O que Paulo está dizendo aqui, é que Jesus é Deus na essência de modo inalterável, imutável.

            Quando olhamos para algumas palavras na Bíblia em grego, descobrimos ainda mais verdades por trás deste verso. Há duas palavras gregas que podem ser traduzidas como “forma”. Morphe e schema. “Morphe é a forma essencial de algo que jamais se altera; schema é a forma externa que muda de tempo em tempo e de circunstância em circunstância” (HDL). Paulo utilizou a palavra Morphe para dizer que Jesus tinha a forma de Deus, ou seja, que Jesus é Deus na essência e que isto não pode ser mudado pelas circunstâncias. Ele é Deus e sempre será e ponto.           Mas aí entra algo lindo a ser observado por mim e por você. Paulo afirma que Jesus não julgou por usurpação o ser igual a Deus.        Paulo usou uma palavra aqui, que segundo os eruditos, esta palavra grega não aparece em nenhum outro lugar na Bíblia. É a palavra harpagmos que é traduzida por usurpação. Esta palavra indica a ideia de aferrar-se, de roubo ou de tomar algo para si. Paulo então está dizendo, que Jesus, mesmo sendo Deus em natureza, algo que não pode mudar, não considerou que ser Deus era algo que deveria desfrutar para si mesmo, como quando alguém rouba algo de outro. Pelo contrário, Jesus abriu mão dos seus direitos. Ele abriu mão dos privilégios de igualdade com Deus pai, tudo por amor a você e a mim. Aqui, Paulo nos ensina que Jesus não pensou mais em si mesmo. Ele pensou nos outros. Ele pensou em mim e em você. Enquanto Satanás e o homem pecador quer ser igual a Deus, Jesus abriu mão desse privilégio para usá-lo em nosso favor. Nos garantir a salvação e as bênçãos da vida eterna.

            Queridos, se há um problema enorme no nosso coração é acharmos que temos direito. É como esse argumento que muitas famílias são destruídas. Amizades são desfeitas. Sociedades acabam em falência. Hoje somos convidados a pensar e agir como Jesus. Mesmo tendo direitos, se queremos viver para glória do Senhor, teremos em muitos momentos que abrir mão desses direitos para ajudar alguém a ser salvo, resolver problemas de relacionamentos, e assim por diante.

            Mas o texto ainda nos ensina mais:

  1. 2.JESUS FOI HUMILHADO POR MIM

7 antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,

8 a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.          

                “Em uma certa catedral da Europa, um novo administrador assumia o cargo e a primeira coisa que fez foi vistoriar o prédio e tudo o que nele havia. Chegando à parte mais alta da catedral, encontrou, perto do teto de um dos cômodos, cerca de uma dezena de estátuas de prata. “O que aquelas estátuas estão fazendo lá em cima?”, perguntou. Após ser informado, falou: “Tire-as lá de cima e traga-as para baixo.” Elas foram derretidas e o resultado apurado colocado na tesouraria da catedral. Antes de usar aquelas estátuas para um fim proveitoso, o administrador precisou trazê-las para baixo. Da mesma forma, para Cristo poder nos usar, muitas vezes é necessário que nos faça descer do alto em que nos colocamos. Com frequência, a oração de Cristo ao Pai, por seus discípulos, deve ser: “Faça-os descer.” – Paulo Roberto Barbosa

                Jesus desceu, ele nasceu neste mundo em forma humana. Paulo afirma que Jesus agora assumiu a forma (morphe) de servo. O uso desta palavra indica que Jesus era homem perfeito. Neste texto maravilhoso, enquanto o apóstolo nos fala de Cristo como modelo para nós, ao mesmo tempo, ele nos dá uma grandiosa revelação teológica: Cristo é ao mesmo tempo e modo perfeito: Deus e Homem. A divindade e a humanidade de Jesus são afirmadas pelo apóstolo. Paulo continua dizendo que Jesus não apenas era homem perfeito por dentro, mas também na semelhança (homoioma) que indica a aparência. E ele ainda continua dizendo que Jesus foi reconhecido em figura humana (schema), ou seja, ele era homem como nós, suportando tudo o que nós suportamos.

                Se olharmos para as palavras de Paulo e pensarmos que o verdadeiro Deus, o soberano Deus esvaziando-se de si mesmo e se assumindo a forma humana já era uma humilhação. Imagine agora o que Paulo diz no verso 8. Repita comigo: “a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz”.        

                Irmãos, a humilhação de Jesus foi ao nível mais extremo. Por nossa causa ele se sacrificou. Ele já estava sendo humilhado quando se fez homem, desceu um degrau quando se tornou servo (escravo), chegou ao ápice da humilhação quando se sacrificou por nós, na cruz. Nunca compreenderemos o que isto significou de verdade. Os 4 evangelhos gastam a metade e até mais da metade de seus Escritos com os fatos relacionados com a morte de Jesus. A cruz, o pior símbolo de humilhação foi transformado no mais glorioso símbolo do cristianismo por causa do sacrifício de Jesus. A cruz é a ênfase de toda a Bíblia. “Cristo morreu para remover o pecado (lPe 2.24; 2Co 5.21), satisfazer a justiça divina (Rm 3.24-26) e revelar o amor de Deus” (Jo 3.16; ljo 4.10). (Jaime Boyce, citado por HDL 212).

                A cruz marca o nível máximo da humilhação de Jesus por nossa causa. Ela era uma morte extremamente dolorosa, pois a pessoa morria lentamente, com câimbras, asfixia e muitas dores. Era tão humilhante que a pessoa condenada na cruz era cuspida, tinha que carregar a própria cruz sob o desprezo das pessoas pelas ruas. E mais, a Bíblia dizia em Dt. 21.23|Gl 3.13, que a pessoa pendurada num madeiro era uma pessoa maldita.

                Entretanto, a maior das humilhações, foi também a maior prova de amor de Deus por nós, e mais intensa expressão da ira de Deus contra o pecado. Ele fez tudo isso por mim e por você.

                Até onde você está disposto a descer por amor a Cristo? Paulo diz. Que haja em você o mesmo sentimento que houve em Cristo. Nossos problemas se resolverão quando estivermos dispostos a descermos da nossa condição, do nosso status, da nossa arrogância em função da salvação dos outros e da glorificação do nome de Jesus Cristo.

                Lembro-me que quando cheguei numa cidade e fui comprar um guarda-roupa, fiquei 2 horas sentado esperando que meu cadastro fosse aprovado. Uma moça perguntou qual a minha profissão. Eu disse, eu sou pastor. Depois pude ouvi-la comentar: Esse povo crente é paciente. Só um crente aguentaria essa humilhação calado.

                Até onde você vai descer para que Cristo seja glorificado através de sua vida?

  1. 3.JESUS FOI EXALTADO PARA MINHA ALEGRIA.

9 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome,

10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra,

11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

               

                Paulo termina nosso texto falando que Deus exaltou a Jesus sobremaneira. Por causa do que Cristo fez por nós, Deus fez algo maravilhoso por ele. Aquele que se humilhou é agora exaltado. E quem o exalta é o próprio Deus Pai. Deus exalta aqueles que se humilham. Tiago 4.10 diz: “humilhem-se diante do Senhor e ele vos exaltará”.

                Deus exaltou Jesus ao ressuscitá-lo da morte. Ao elevá-lo para o céu e ao lhe dar toda autoridade no céu e na terra. “Deu a Ele autoridade para julgar (Jo 5.27) e O fez Senhor de vivos e de mortos (Rm 14.9), fazendo-O assentar à sua destra, acima de todo principado e potestade, constituindo-O cabeça de toda a Igreja (Ef 1.20-22).217 Fica claro que essa elevação de Jesus não foi a restituição da natureza divina, porque Ele jamais a perdeu, mas foi a restituição da glória eterna que tinha com o Pai antes que houvesse mundo, da qual voluntariamente havia se despojado (Jo 17.5,24)”.

                Deus o exaltou também dando um nome que é sobre todo nome. Por causa do que Cristo fez, Deus fez com que o nome de Jesus se tornasse maravilhoso, poderoso. É pelo nome de Jesus que tudo acontece na igreja. Pessoas são salvas, doentes são curados, cativos são libertos, orações são respondidas.

                Paulo afirmou em Cl 3.27 que devemos fazer tudo em nome de Jesus.

                Mas a maior das glórias é que ao nome de Jesus, todos joelho se dobrará e toda língua confessará que ele é Senhor. Senhor traduz a palavra grega kyrios. Essa palavra tem uma história importante – ela começou significando amo ou proprietário. Depois chegou a ser o título oficial dos imperadores romanos. Mais tarde, passou a ser o título dos deuses pagãos e, por fim, Kyrios foi o termo grego que traduzia Jeová na versão grega das Escrituras, a Septuaginta. Assim, quando Paulo afirma que todos dirão que Jesus é Senhor, é que todos reconhecerão que ele é Deus. O senhorio de Cristo é dito mais de 600 vezes no Novo Testamento. Somente quem confessa Jesus Cristo como Senhor pode ser salvo. Romanos 10.9 lemos: “9 Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”.

                Não é apenas crer nos fatos sobre Jesus que salva, mas sim, reconhece-lo como Senhor, como dono, e ser obediente à sua vontade. Isto é que salva.

CONCLUSÃO:

                Os problemas que temos na igreja ou fora dela são sempre resultado de pecado. Ou pecado nosso, ou pecado de outros. Mas a solução para o pecado sempre é Jesus. E teremos condições de vencer tais problemas quando imitamos a Cristo. Assim, se torna verdadeira nossa grande ideia: O verdadeiro cristão tem alegria quando imita a Cristo todo dia.

                O desafio para você hoje é: Vença seus problemas imitando a Jesus. Abra mão de seus direitos, humilhe-se, para que Cristo seja exaltado em sua vida. Assim fazendo, se cumprirá o que Tiago nos ensinou: Humilhem-se diante do Senhor e ele vos exaltará.

                Deus abençoe sua vida.

One thought on “Filipenses 2.5-11 Ser como Cristo – Minha Alegria!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *