Jonas 1.8-12 – O Perigo de afastar-se de Deus

Jonas 1.8-12

8 Por isso lhe perguntaram: “Diga-nos, quem é o responsável por esta calamidade? Qual é a sua profissão? De onde você vem? Qual é a sua terra? A que povo você pertence? “

9 Ele respondeu: “Eu sou hebreu, adorador do Senhor, o Deus dos céus, que fez o mar e a terra”.

10 Com isso eles ficaram apavorados e perguntaram: “O que foi que você fez? “, pois sabiam que Jonas estava fugindo do Senhor, porque ele já lhes tinha dito.

11 Visto que o mar estava cada vez mais agitado, eles lhe perguntaram: “O que devemos fazer com você, para que o mar se acalme? “

12 Respondeu ele: “Peguem-me e joguem-me ao mar, e ele se acalmará. Pois eu sei que é por minha causa que esta violenta tempestade caiu sobre vocês”.

                A história de Jonas sempre mexeu com a minha vida, minhas emoções. Desde criança quando ouvi a história de que Jonas fora engolido pela Baleia, ficava em casa imaginando a cena. Agora, já mais maduro, descubro que o livro não trata de Jonas ou da Baleia, mas de Deus e de seus planos, sua vontade soberana, seu governo.

                Uma das coisas mais fáceis de fazer ao ler Jonas é repetir as palavras dos marinheiros: “O que foi que você fez?” Talvez hoje diríamos, você é louco? Como acha que pode fugir de Deus?

                Mas há algo que nem sempre nos lembramos. É que nós agimos como Jonas. Sim, você e eu, repetimos a louca atitude de Jonas em vários momentos da nossa vida. Agimos como alguém sem juízo. Não sabemos com quem estamos lidando.

                Quando a coisa apertou, quando o barco balançou devido as forças das onde que a forte tempestade trouxe, os marinheiros, experientes, se assustaram. Para marinheiro ter medo e assustar, é porque a coisa está fora de controle, concordam? Acham Jonas dormindo. Eles o acordam. Mandam que ele ore. E ele faz exatamente o que? Ele não ora. Enquanto todos estão buscando soluções em um deus, o homem do Deus verdadeiro não quer mais falar com o seu Deus. Mas agora, Deus expôs Jonas. Os marinheiros haviam lançado sortes, e elas caíram sobre Jonas. A culpa é dele. Ele tem se explicar. Está na berlinda, no paredão. Ninguém que tenta se afastar de Deus, desobedecendo sua Palavra passará despercebido. Mais cedo ou mais tarde será confrontado. Vai ter sua história e sua vida exposta diante de todos. Os marinheiros fizerma perguntas a Jonas. Imagino a cena, a entrevista: Diga-nos, quem é o responsável por esta calamidade? Jonas, cabeça baixa, envergonhado. Sou eu! Qual é a sua profissão? Éh, hã, sou profeta, pregador da Palavra de Deus. De onde você vem? Qual é a sua terra? A que povo você pertence?” Ééé, hã, hã, “Eu sou hebreu, adorador do Senhor, o Deus dos céus, que fez o mar e a terra”. Eu estou fugindo da presença deste Deus, porque ele me mandou pregar em Nínive, mas eu não gosto deles, e para não obedecer a Deus, decidi fugir para outra cidade. Enquanto Jonas respondia, o mar piorava. As ondas mais altas, o balanço do navio cada vez mais assustador. “O que devemos fazer com você, para que o mar se acalme?”. Você é o culpado, você é o homem de Deus aqui. O que devemos fazer? Jonas responde: Me peguem e me joguem no mar. A culpa é minha. O mar vai se acalmar para vocês quando se livrarem de mim.

                Veja como o pecado traz consequências na vida de um homem, mesmo de um homem que um dia foi pregador da Palavra, que diariamente estava no templo, que cumpria suas tarefas espirituais com frequência.

                Tenho dito que na vida cristã, não importa o sucesso do passado. Não adianta apena começar bem, é preciso continuar bem e terminar bem.

                Mas quando o homem se afasta de Deus, ele fica cego. Ele se esquece da graça. Sua mente fica infrutífera. A resposta de Jonas identifica que antes de afastar-se de Deus na viagem, Jonas já havia se afastado no coração. “me peguem e me joguem no mar”, é como se ele dissesse: eu prefiro morrer a ser obediente e fazer o que Deus mandou.

                Ah, queridos, quantas vezes fazemos igual a Jonas. A gente não diz, mas na prática, ainda que nosso pecado e vida seja exposta. Lidamos com os problemas, mas insistimos na falta de arrependimento. Quantos estão entrando em depressão por causa do seu pecado. A depressão de Jonas, seu desejo de morrer, era única e exclusivamente causada pelo seu pecado. Jonas até confessou o pecado, mas não se arrependeu. Afastar-se de Deus é extremamente perigoso.

                Em nossos dias, se conhecêssemos Jonas, diríamos, ele está deprimido. Tem problemas mentais. Precisa da ajuda de um psiquiatra ou psicólogo. Precisa de terapia. Ele só chora. Só pensa em morte. Mas a depressão de Jonas era fruto de seu pecado, e pecado não se cura com médicos, apenas com arrependimento e um retorno à Deus e sua vontade, hoje, podemos acrescentar, pecado se cura com conversão a Jesus Cristo. Afastar-se de Deus é perigoso. Mas em Cristo temos a graça salvadora. No arrependimento temos o retorno. Na obediência, temos nossa restauração.

                DESAFIO DE HOJE: Ore a Deus e agradeça pela sua graça maravilhosa que salva a todo aquele que crê em Jesus Cristo. Assuma em oração o compromisso de obedecer ao Senhor. Ele também tem mandado você pregar a Cristo a todos que se aproximam de você. Não fuja ao seu compromisso. Não é melhor morrer do que obedecer a Jesus. É melhor obedecer e viver para sua glória, pois a recompensa é verdadeira. Deus nos abençoe.

               

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *