Amar é uma decisão

Texto: Mateus 22.37-40

36 Mestre, qual é o grande mandamento na Lei?

37 Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.

38 Este é o grande e primeiro mandamento.

39 O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.

 

                Nestes pouco mais de 20 anos no ministério pastoral encontrei-me com muitas pessoas que se aproximaram de mim afirmando que seu casamento tinha acabado. Minha primeira pergunta era: “E por que acabou?” A resposta da maioria era que o amor havia acabado. Então eu retrucava: “Então temos duas opções: ou você nunca amou, ou está sendo desobediente à Deus!”

                A sociedade ensina, principalmente, nas mídias que o amor é um sentimento que pessoa pode ter ou não e, geralmente, é algo que precisa ser correspondido. Graças a Deus a Bíblia existe para remover entendimentos errôneos e, muitas vezes, destruidores. Na Bíblia, amar é uma escolha, uma decisão do indivíduo. No texto que lemos, Jesus se refere ao amor como um mandamento, o que deixa claro que é algo para ser obedecido, independente da minha vontade. Pois o que está em questão é a obediência à vontade de Deus. Deste modo, para amar alguém ou alguma coisa apenas é se faz necessário tomar uma decisão, uma escolha.

                Quando fora interrogado pelo doutor da lei (uma espécie de advogado) sobre qual dos mandamentos era o maior, provavelmente este homem esperava que, entre os dez de Êxodo 20, Jesus escolhesse um. Mas Jesus resumiu aqueles mandamentos em dois. Amar a Deus e amar ao próximo. Jesus ensina que o primeiro e grande mandamento é amar a Deus. Essa é a primeira escolha que uma pessoa deve tomar. Sua primeira e grande decisão, a mais importante.

Amar a Deus é fundamental para que o mandamento seguinte seja uma realidade. O que é amar a Deus? Jesus ensinou isso em João 14.21 dizendo: “Quem tem os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama. Aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me revelarei a ele”. Queridos, amar a Deus é obedecê-lo. Para isto será necessário conhecer a Bíblia, estuda-la, crer nela como Palavra de Deus, e ser obediente ao que nela está escrito. É interessante como existem tantos crentes que leem a Bíblia, mas não acreditam que o que ela ensina é verdade que deve ser aplicada à sua vida prática, não querem obedecê-la. As pessoas da atualidade estão atrás de se sentirem bem num ambiente de culto, mas não estão atrás de transformação de suas vidas para adaptá-las aos ensinamentos bíblicos, ou seja, obedecer aos mandamentos de Cristo.

Agora, uma vez que alguém tomou a decisão de Amar a Deus, o que incluirá obediência aos seus mandamentos, a consequência natural será amar ao próximo. Na famosa parábola do bom samaritano, Jesus ensinou que amar o próximo é também uma decisão e que é uma iniciativa pessoal. No texto de Luca 10.36,37, Jesus pergunta: “Qual destes três você acha que foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” E a resposta foi: “Aquele que teve misericórdia dele”, respondeu o perito na lei. Jesus lhe disse: “Vá e faça o mesmo”. Aqui a ideia é que você e eu devemos nos fazer próximos dos demais. Aqui não se trata de esperar que alguém se aproxime, mas de tomar a iniciativa de se aproximar dele.

Quando entendemos que amar é uma decisão, as coisas mudam em todos os nossos relacionamentos. Ainda que a esposa ou o marido já não sejam como no início do casamento, o casamento de quem crê e obedece à Bíblia não se desfará por dois motivos: Tal pessoa decidiu amar a Deus, portanto, ela decidiu obedecê-lo. E se há obediência ao Senhor, há obediência de amar ao próximo. Assim, ainda que o cônjuge não corresponda, você decidiu amá-lo por obediência e semelhança com Jesus. Ele é o modelo supremo. Lembra? Deus provou seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores, ou seja, ainda inimigos dele. O verdadeiro amor bíblico não é sentimento. É uma decisão de amar a Deus, ser-lhe obediente, e de amar ao próximo (cônjuges, filhos, parentes, o vizinho chato, o patrão que te persegue, o inimigo), como você estivesse amando a si mesmo. Gostando ou não, amar é uma ordem para ser obedecida. É por isso que Jesus nos manda amar até aos inimigos e orar e abençoá-los. Diante destas palavras, qual será sua decisão?

DESAFIO DE HOJE: Ore a Deus e peça que lhe ajude a amar seus familiares, amigos e até aos inimigos, cumprindo de forma obediente a vontade dele, tão clara na Bíblia. Ore ao Senhor pedindo sabedoria e força para tomar a decisão de amar, mesmo quando todos dizem o contrário. É mais sábio temer e obedecer ao Senhor. É melhor não seguir o conselho dos ímpios. Mas antes ter prazer na lei do Senhor e nela meditar de dia e noite. Que Deus lhe abençoe, e por meio do amor dele, ajude você a amá-lo mais e, em obediência, amar a todos. Amém.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *