Como vencer na crise

HABACUQUE 3.17-19

17 Ainda que as figueiras não produzam frutas, e as parreiras não dêem uvas; ainda que não haja azeitonas para apanhar nem trigo para colher; ainda que não haja mais ovelhas nos campos nem gado nos currais,

18 mesmo assim eu darei graças ao SENHOR e louvarei a Deus, o meu Salvador.

19 O SENHOR Deus é a minha força. Ele torna o meu andar firme como o de uma corça e me leva para as montanhas, onde estarei seguro.

               

                Nosso país está em crise em várias instâncias. Crise política em um nível lastimável e moralmente vergonhoso. Crise social e econômica, pois cresce o número de desempregados, a economia está numa profunda recessão, os hospitais estão sucateados, cada vez menos leitos disponíveis e mais pacientes chegando. Muitos sendo atendidos, quando são, pelos corredores, assim mesmo os casos mais urgentes, pois até remédios já faltam.

                Além desta situação apontada como crise, há uma que considero a mais relevante de todas – a crise espiritual. Nunca antes o povo brasileiro esteve tão religioso e, entre aspas, “tão evangélico”. Era de se esperar uma melhoria natural na sociedade, mas infelizmente, sofremos golpes fortíssimos quando lemos nos jornais que os causadores das demais crises, são evangélicos.

É assustador saber pelos jornais que igrejas evangélicas estão na rota das investigações da operação lava-jato da polícia federal que investiga corrupção na Petrobras.

                Essas crises, política, econômica, social e religiosa, eu diria até, evangélica, que existe no Brasil nos faz pensar e dizer: E agora? Como vamos vencer a crise?

Habacuque viveu crises semelhantes em sua época. A violência social crescia. A impunidade era uma constante. Deus o avisou que o problema era o pecado, e que ele puniria todo pecado. Levantaria os caldeus para destruir seu povo e depois destruiria os caldeus. Pois todo pecado seria punido. Consciente de que os problemas eram graves e que o julgamento de Deus seria intenso. Habacuque se apega ao único fator capaz de ajudar uma pessoa a vencer a crise. Fé em Deus. O texto é sua oração de fé e dependência do Senhor. Ainda que não haja alimentos e o sofrimento seja intenso, ainda assim, continuarei com o Senhor. Darei graças a Ele pelo que tiver e pelo que não tiver, louvarei ao Deus da minha salvação. Suas palavras chegam ao clímax da fé ao dizer, em meio aos problemas – O Senhor Deus é a minha força!

Na contramão do que todos dizem, o problema da nossa nação brasileira não é a política, o desemprego, a crise, a religiosidade. O problema é o pecado. Essas situações são consequências de pecados. E para resolver a crise é preciso resolver o pecado. Arrependimento sincero, confissão, fé no sacrifício de Jesus e sua ressurreição e submissão ao senhorio de Cristo são os passos para a solução do problema nacional. Esta é uma solução simples, mas não simplista. Se o coração não muda, a prática e o comportamento também não mudam de forma consistente. Assim, veremos pessoas atrás de psiquiatras, psicólogos, terapeutas, tentando mudar seus comportamentos, mas será em vão, pois a mudança precisa ser do coração, e só Cristo pode mudar isso. Paulo afirmava em Romanos 12.2 que é preciso ser transformado pela renovação da maneira de pensar, da mente, ou na linguagem bíblica, do coração.

Como cantávamos no passado. “sem Cristo nada eu seria, sem Cristo não sei andar, sem Cristo eu vagaria, qual barquinho no imenso mar. Cristo, só Cristo. Queres hoje aceitar este amigo sem par? Cristo, só Cristo. Sem Ele não há salvação!”.

Mas quando Cristo está em nosso coração, ganhamos força para suportar a crise. O Senhor é a nossa força.

Desafio de Hoje: Ore e peça a Deus para lhe ajudar a valorizar muito mais o Senhor e as coisas eternas do que as passageiras. Peça a Deus para convencer você de que ele é a sua força. Ainda que tudo esteja muito difícil, passe pela crise alegre e louvando ao Deus da sua salvação. Deus nos abençoe.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *