Colossenses 3.18-19 Cristo é tudo na família – Parte 1

QUANDO CRISTO É TUDO NA FAMÍLIA – PARTE 1 – RELACIONAMENTO MARIDO E MULHER

COLOSSENSES 3.17-19

17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.

18 Vós, mulheres, estai sujeitas a vosso próprio marido, como convém no Senhor.

19 Vós, maridos, amai a vossa mulher e não vos irriteis contra ela.

 

Grande Ideia: O sucesso do relacionamento familiar é possível quando cremos que Cristo é tudo.

 

INTRODUÇÃO:

                Um casal se prepara para celebrar seus 40 anos de casado. Eles tinham 60 anos de idade. De repente um anjo apareceu e lhes perguntou o que queriam de presente de casamento. A mulher disse que queria muito poder viajar pelo mundo. Então o anjo, levantou a espada, fez um passe e ela tinha duas passagens para um cruzeiro mundial.

                O homem levou o anjo para o lado e sussurrou com o anjo: “Eu queria estar casado com uma mulher 30 anos mais jovem do que eu”. O anjo, levantou a espada, fez um passe e o homem passou a ter 90 anos de idade.

                Tome muito cuidado com o que você pede.

                Essa anedota tem algo a nos dizer. Pessoas estão no casamento e, muitas vezes, estão pensando em si mesmas. O egoísmo impera na mente e coração de grande parte das pessoas. Mas na Bíblia, somos ensinados a olhar o outro primeiro. A Bíblia até pressupõe que uma pessoa ame a si mesma, mas não há nenhuma ordem para que ela coloque isto acima do amor aos outros. Não encontramos mandamento de amar a si mesmo.

                Em 1 Coríntios 12.31, Paulo descreve o amor como sendo um caminho excelentíssimo no qual devemos trilhar. Agora, este mesmo Paulo, em Colossenses 3.17, nos esclarece que a base para o sucesso de nossos relacionamentos é um viver que represente bem a pessoa de Jesus Cristo. Amor, misericórdia, paz, deixar a Palavra de Deus habitar ricamente em nós por meio da leitura e prática da Bíblia, estes são meios pelos quais podemos representar Cristo, fazendo tudo em nome dele, incluindo nisto os nossos relacionamentos.

                Pensando assim, temos papeis bem definidos na Bíblia para o homem e para a mulher que se casam. Vejamos.

1.       O PAPEL DA MULHER. (v.17,18)

17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 18 Vós, mulheres, estai sujeitas a vosso próprio marido, como convém no Senhor.

                Sempre que tratamos do assunto casamento, precisamos ver os papeis diferentes do homem e da mulher sob a ótica da submissão a Cristo. Também observamos nos escritos de Paulo que Cristo se torna o modelo perfeito para toda nossa maneira de viver, de modo que o evangelho se torna também uma transformação do nosso estilo de vida transformando valores, princípios, comportamentos e submetendo tudo isso ao modelo perfeito – Jesus Cristo.

                Pastor Hernandes Dias Lopes, citando Warren Wiersbe, diz que “Quem não é cristão verdadeiro no lar, dificilmente o será em outra parte. Não teremos igrejas santas nem uma sociedade justa se não tivermos lares bem estruturados”. Em nossa sociedade os relacionamentos familiares estão passando por grandes crises. A solução está em Cristo. Mas para isto acontecer, precisamos nos submeter a Ele como nosso Senhor, dando ouvidos à sua Palavra e praticando o que ela ensina. Paulo estabelece no texto o papel da mulher. Ele fala que ela deve ser submissa ao seu marido. Isso pode ofender muita gente em nossa cultura atual. Mesmo que a sociedade não goste, nós precisamos ser fieis à Palavra. Entendemos que o cristianismo está contra a cultura.  O que Paulo quer dizer com a mulher ser submissa? Que a mulher é inferior ao homem, como afirma o movimento feminista mundial ou a nossa sociedade atual? Claro que não. Submissão aqui não é uma questão de inferioridade. Em Efésios 5.21 lemos: “sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus”, ou seja, somos ensinados a sermos submissos uns aos outros por causa da nossa submissão e temor a Deus.

                É preciso compreender que a submissão não é uma questão de valor pessoal, mas uma questão de função. Pastor David Merck afirma com frequência a expressão: “iguais no ser, diferentes no fazer”. (diga isso para a pessoa do seu lado). Lembro-me de ver numa escola que estudei, um pote com formol e dentro dele um porquinho com duas cabeças. Aquilo era anormal, estranho. Um corpo não pode ter duas cabeças, nem pode sobreviver sem cabeça alguma. Precisamos compreender esta diferença de função na família, no casamento, para que as coisas funcionem. Deus estabeleceu o homem como cabeça da família e a mulher como submissa ao homem.

                Quero, entretanto, mostrar que no cristianismo esse conceito de submissão está em tudo. Em Efésios 5.21 lemos “sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus”. Pense no que Cristo fez como registrado em Filipenses 2.17ss; Cristo se submeteu. Nós somos diferentes? Não! Nós também devemos fazer a mesma coisa. Efésios 5.21 diz para nos submetermos uns aos outros. Isto descreve nossa característica cristã. Submissão é um conceito distinto especial do cristianismo que está evidente em várias áreas da vida. Vejamos 8 exemplos bíblicos em que somos ensinados a nos submeter. A submissão é algo que caracteriza o cristianismo, é, portanto, o nosso alvo. Vejam o quadro na tela:

1.       Devemos nos submeter a Deus nosso Pai (Hebreus 12.9; Tiago 4.7)

2.       Devemos nos submeter a lei de Deus. (Rm 8.7)

3.       Devemos nos submeter a Cristo. (Ef. 5.24)

Os primeiros três são fáceis, mas agora vai se tornar difícil:

4.       Devemos nos submeter ao governo. (Rm 13.1-5, Tt. 3.1, 1 Ped. 2.13). É difícil, mas interessante. Os textos não dizem autoridades crentes, mas apenas autoridades.

5.       Devemos nos submeter aos ministros do evangelho. (1 Co 16.16. – Hb. 13.17)

6.       Esposas submissas aos maridos. (Colossenses 3 e Efésios 5)

7.       Filhos aos pais

8.       Aos mestres ou senhores ou patrões.

                Quando se chega às categorias humanas de submissão, notamos que elas não são perfeitas. Mas confiamos em Deus que estabeleceu a vida neste padrão. O que quero é que notem que a submissão está presente em todo cristianismo. E é com base nisto que Deus chama a esposa para submissão voluntária.

                Quando o marido diz assim: “mulher você tem que se submeter a mim!”. É este o espírito de Cristo? Não! Isto é orgulho e arrogância! Pode ser qualquer coisa, menos o espírito de Cristo. Existe uma forma bíblica de como devemos liderar. Para isto, vamos ao passado. À origem de tudo. Voltemos à criação. Você conhece bem Genesis 1. Deus criou e viu que tudo era bom. Sempre terminava assim. Mas tinha algo que Deus declarou que não era bom – que o homem estava sozinho. Adão foi feito do pó da terra, Eva da costela, por quê? Deus não queria duas pessoas independentes. Desde o início Deus mostra que eles serão unidos. Devem ajudar uns aos outros em vida e ministério. Em Gênesis 1, Homem e mulher são criados a imagem de Deus. São iguais. Adão foi feito imagem de Deus e Eva não foi feita à imagem de Adão, mas à imagem de Deus também. Submissão é reconhecer autoridade de Deus como Deus declarou e, voluntariamente, nos colocamos abaixo dela, é isto o que as mulheres devem fazer. Na mesma forma que na trindade existem papeis diferentes, acontece o mesmo na família.

                Em Gênesis 2, lemos que os dois devem se tornar uma só carne. E sabemos o que acontece em Gênesis 3. Na queda eles se rebelaram contra Deus. Eva toma o fruto, come, entrega a Adão que está ali e está basicamente negligenciando sua responsabilidade. Ele foi criado primeiro, deve liderar a esposa, mas não diz nada quando ela come. E ele come também. Mas quando Deus vem procura-los no jardim, o que ele faz? Quem ele chama primeiro? É a Adão. Adão tem uma responsabilidade. Foi criado primeiro. É a reponsabilidade de liderar, proteger e providenciar as necessidades de sua esposa.

                Agora voltando para Colossenses 3, lemos que as mulheres devem se submeter aos maridos, só que isto não significa que ela não tem voz. Sejamos honestos, às vezes as esposas sabem mais sobre algo do que o homem, ou até sabem de algo que o homem não sabe. Mas no casamento, estamos unidos, não estamos competindo. Precisamos ouvir a voz de nossas esposas. Boa liderança pede isso. Ser cabeça não nos torna oniscientes. Deus é. Ele nos deu uma parceira. Deus viu que não era bom estarmos sozinhos. Uma boa liderança vai ouvir os pensamentos e ideias da esposa. E a esposa respeitará o marido. Poderá haver momentos que discordem, mas ela se coloca sob a autoridade dele e enquanto se submete a ele está confiando no Senhor, pois o marido pode cometer um erro.

                Deus é Deus e assim ele ordenou as coisas. É importante que a esposa veja que isto é correto como ao Senhor. Não confiando primordialmente no marido, mas em Deus. As esposas precisam entender que ao fazer isso trazem honra ao nome de Deus. Isto é contrário à nossa cultura, mas isto traz honra a Cristo. Demonstra que Cristo é tudo.

                Assim, a posição de liderança do homem sempre é funcional. Pastor Hernandes Dias Lopes destaca três pontos da submissão da esposa ao marido que eu gostaria de citá-los:

1.    A submissão da esposa ao seu marido é uma ordem divina. As ordens de Deus não são para nos escravizar, mas para trazer liberdade. Um bom exemplo disso é saber que temos liberdade para dirigir um carro pelas ruas apenas se fazemos isso respeitando as leis de trânsito. Assim, a mulher é livre quando cumpre a vontade de Deus e é submissa ao seu marido. O que não significa ser escrava dele.

2.    A submissão da esposa ao marido é uma atitude espiritual. Paulo afirma: “mulheres estai sujeitas aos vossos próprios maridos, como convém no Senhor”. Submissão ao marido é prova de que a mulher está submissa ao Senhor, é consequência natural da sua obediência a Cristo. Sendo impossível que a mulher seja submissa a Cristo se ela não é submissa ao marido.

3.    A submissão da esposa ao marido não é absoluta. A submissão de uma mulher ao seu marido vai até ao ponto em que esta submissão não venha transgredir a Palavra de Deus. A obediência a Cristo está acima da obediência ao marido. Atos 5.29 “Mais importa obedecer a Deus do que aos homens”. Se a vontade do marido for contrária à vontade de Deus expressa na Bíblia, a mulher não tem que se submeter à ele.

 

2.       O PAPEL DO MARIDO.

17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 19 Vós, maridos, amai a vossa mulher e não vos irriteis contra ela.         

                A contrapartida da submissão da mulher é ter um marido que a ame como Cristo ama a Igreja. Amar a esposa não é uma opção, é uma obrigação do marido se ele, de fato, ama a Jesus. Segundo Paulo em Efésios, o amor de Cristo para a igreja é o amor de entrega. Em Efésios 5.25, Paulo nos esclarece melhor este assunto afirmando que o amor do marido pela esposa é “como Cristo amou a igreja e se entregou por ela”.

                Há pelo menos dois pontos que os maridos devem observar aqui:

1.       O amor do marido pela esposa é uma ordem dada por Deus.

                As qualidades deste amor na Bíblia você encontra em 1Coríntios 13. Será sempre um amor perseverante, santificador, cuidadoso, romântico e sacrificial. Um amor paciente, benigno e livre de ciúme. O amor verdadeiro não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Esse amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta e jamais acaba (ICo 13.4-8).

                Pensemos um pouco sobre esse fato do marido amar sua esposa. Sabemos o que diz Efésios 5.25. Amar a esposa como cristo ama a igreja. E o que Cristo fez? Ele deu sua vida pela igreja. Ele serve a igreja. Devemos amar as esposas assim. É bom que nós como maridos perguntemos se de fato estamos fazendo isso.

                As escrituras não dizem que devemos mandar nossas esposas serem submissas, esta não é nossa tarefa. Nossa tarefa é ama-las como Cristo amou a igreja. É responsabilidade delas nos respeitarem, mas não cabe a nós tal cobrança.

                Mas o que é mais difícil, submeter ou amar como Cristo? Acho que os dois são difíceis. Mas só fazemos isso quando nos submetemos a Cristo. E vamos prestar contas a Deus pela forma como fazemos, como amamos as esposas, como nos sacrificamos por elas.

2.       O amor do marido à esposa o impede de agredi-la com palavras e atitudes (3.19)

                A versão da Bíblia Séc. 21 diz: “Cada um de voz ame sua mulher e não as trate com aspereza”. A NTLH traduz: “não sejam grosseiro com ela”. Alguém afirmou que se trata da impaciência, dos resmungos que criam tensão no relacionamento e que geram desânimo. Paulo está ensinando que não devemos ser duros com nossas esposas, mas devemos ser como Jesus. Jesus já foi duro com você? Não!

                Em 1 Coríntios 7.33 Paulo disse que: “o homem casado se interessa pelas coisas deste mundo porque quer agradar a sua esposa”. Para este apóstolo, o marido deveria ter palavras boas para sua esposa. A Bíblia é cheia de exemplos para que os maridos tratem bem suas esposas. Salomão deixou claro quando escreveu Provérbios 31.28,29 que o marido deve elogiar sua mulher em casa e na presença de todos. “Os seus filhos a respeitam e falam bem dela, e o seu marido a elogia. 29 Ele diz: “Muitas mulheres são boas esposas, mas você é a melhor de todas.”.

                Hernandes Dias Lopes afirma: “A palavra grega usada para “irriteis” traz a ideia de amargo, chato, irritante. Fala do atrito causado pela impaciência e “falação” impensada. Se o amor está ausente, a submissão não estará presente por causa dessa perpétua irritação. Paulo exorta aqui o marido rabugento, irritadiço, que faz tempestade em copo d’água. O marido precisa ter palavras amáveis e atitudes generosas. Ele deve ser perdoador em vez de ter um arquivo vivo de lembranças doentias e amargas. Em vez de tratar a esposa com amargura, o marido precisa ser um bálsamo na vida dela, um aliviador de tensões, um amigo presente, um companheiro sensível que vive a vida comum do lar, servindo-a e protegendo-a”.

 

APLICAÇÕES:

 

1.       O sucesso do relacionamento familiar é possível quando cremos que Cristo é tudo.

2.       Esposas serão submissas ao marido quando forem submissas a Cristo.

3.       Maridos amarão suas esposas quando amarem a Cristo acima de todas as coisas.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *