Colossenses 3.12-14 Vestindo a nova roupa da Santidade de Cristo – Parte 1

VESTINDO A NOVA ROUPA DA SANTIDADE DE CRISTO – PARTE 1

Pr. Joaquim José da Costa Dias

 

Colossenses 3.12-14

12 Então, como santos e amados eleitos de Deus, revesti-vos de um coração cheio de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência,

13 suportando e perdoando uns aos outros; se alguém tiver alguma queixa contra o outro, assim como o Senhor vos perdoou, também perdoai.

14 E, acima de tudo, revesti-vos do amor, que é o vínculo da perfeição.

 

GRANDE IDEIA: A nova roupa do cristão é constituída de um coração amoroso.

 

INTRODUÇÃO:

 

                Os irmãos que tem crianças em casa devem concordar comigo. Algumas das crianças ficam todas felizes quando ganham uma roupinha nova e são elogiadas. Em nossa casa, quando Amanda veste o Tiago com uma camisa das mais novas e nós o elogiamos dizendo: “Como está bonito, camisa nova, heim?” Tiago corre para o espelho e fica se admirando. É possível ver alegria estampada no seu rosto.

                Creio que a maioria de nós exibe a mesma alegria quando compramos e usamos uma roupa nova. Lembro-me que no Tocantins, quando alguém aparecia com uma roupa nova na igreja, os irmãos diziam, permitam-me tentar repetir o sotaque: “óia aí o fulano, só qué tá nos panos”.

                O que quero dizer com isto. Uma pessoa com roupa nova é identificada rapidamente. Ela se destaca dos demais por causa da sua roupa nova. Na vida cristã este deve ser o nosso alvo. Devíamos nos destacar em meio as outras pessoas devido ao uso da roupa nova que temos para usar, que de certa forma, é o própria Cristo em nós. Paulo disse em Colossenses 3.9 que nós nos despimos, ou seja, tiramos do corpo a roupa do velho homem, e nos revestimos da roupa do novo homem, que é Cristo. No texto lido, vamos identificar quais são as peças que compõem esta vestimenta nova que o cristão recebeu e que precisa vestir todos os dias de sua vida até seu encontro com Deus na eternidade. Vamos resumir nossa nova roupa em 4 peças distintas para vestir e hoje falaremos apenas da primeira peça, que é o amor, ou um coração amoroso.

 

Transição: Um coração amoroso demanda 3 atitudes:

1.       UMA COMPREENSÃO DA NOSSA IDENTIDADE CRISTÃ (12)

12 Então, como santos e amados eleitos de Deus, revesti-vos de um coração cheio de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência,

               

                Paulo, à partir do verso 12, nos manda colocar um revestimento, uma roupa que inclui um coração cheio de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência, depois perdão e amarrar tudo com amor sacrificial. Este é um texto por demais significativo. Estas palavras que citamos, compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência dizem respeito ao próprio Jesus Cristo. São as palavras encontradas no fruto do Espírito de Gálatas 5.22. São palavras que denotam a presença de Jesus na vida do cristão, o que prova que Cristo é visível no crente.

                Paulo inicia falando de nossa identidade. Ele fala do que nós somos. E o que nós somos? Somos filhos amados de Deus. A ideia de amor e adoção é maravilhosa! Filhos naturais sempre amamos, mas somos filhos de outro tipo. Deus optou por nos amar e por isso somos adotivos. Deus escolheu vir atrás de nós e nos fez santos. Somos muito amados com amor especial. Esta é nossa identidade. Paulo nos lembra disso, pois essa é a roupa que você precisa vestir. O mandamento é igual quando um pai manda com autoridade seu filho se vestir. É preciso ser agressivo contra o pecado. Levante-se e se vista. Esta é a roupa de Cristo está aqui é só colocar.

                O que me chama atenção sobre isso é que todas estas qualidades já estão presentes. Você não precisa se fazer compassivo e bondoso. Já está ali. Werner de Boor, no Comentário Bíblico Esperança afirmou assim: “Não podemos dar a nós mesmos “um coração de misericórdia”. Bondade fabricada, humildade intencional, brandura artificial, isso não passa de encenação que sucumbe nas provações, não passa de máscara distorcida, por trás da qual a verdadeira natureza se destaca de modo tanto mais assustador: príncipes fantasiados com imitações de ouro e papel laminado. Já a princesa autêntica, de nascença, realmente tem o privilégio de vestir o esplendor autêntico da vestimenta preparada para ela. “Um coração de misericórdia, bondade, humildade, mansidão, paciência” – isso não é nada mais que o próprio Cristo.

                Irmãos, a primeira coisa do novo guarda-roupa é ser compassivo, ter bondade. Quando alguém lhe deixar com raiva. Pegue sua ira e jogue fora. Vista-se da bondade, da compaixão.                Nosso salvador não foi bondoso e compassivo conosco? Muito bem, estas são as vestes dele. Não seja compassivo apenas para quem merece. Mas livre-se da ira e ódio e se revista da compaixão da compaixão de Cristo. Esta roupa já é nossa. Cristo já nos deu em sua vida. Ele nos deu tudo que precisamos para segui-lo.

                Se Cristo é tudo para você, você terá um coração amoroso. E um coração amoroso também demanda:

 

2.       UMA DISPOSIÇÃO AO PERDÃO. (13)

13 suportando e perdoando uns aos outros; se alguém tiver alguma queixa contra o outro, assim como o Senhor vos perdoou, também perdoai.

 

                No verso 13, Paulo nos convida a suportar e perdoar uns aos outros. Leia o verso novamente. Fico pensando que Paulo estava sendo sarcástico quando disse “se alguém tiver queixa”. Parece que ele fala de algo hipotético, de algo que não acontece? Claro que não. Olhe para as pessoas em nossa igreja e você verá que não. Pessoas discutem e se machucam o tempo todo. Paulo nos pegou queridos, ele nos acertou em cheio.  Não é algo hipotético, é algo que vai acontecer. Talvez haja muitos dos irmãos vivendo uma situação destas agora. Mas qual é a palavra mais importante no verso 13? Perdoar? Sim, poderia ser ela. Mas há uma pequena palavra mais importante ainda. “assim”. Paulo diz que devemos perdoar “assim” como Cristo nos perdoou. A questão é o nosso caráter, o nosso coração. Cristo é o modelo. Ele é tudo. Na mesma medida que ele nos perdoou precisamos perdoar.

                Tem tudo a ver com a palavra “assim”. Paulo nos leva de volta para o evangelho. Então me lembro de Mateus 18.23-34. Quantas vezes devo perdoar meu irmão? Deve ter limite? Jesus conta uma história e diz para todos. Ele conta a história de um homem com uma grande dívida. 23 Por isso, o Reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com os seus servos; 24 e, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos. 25 E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher, e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. 26 Então, aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. 27 Então, o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. 28 Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem dinheiros e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves. 29 Então, o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. 30 Ele, porém, não quis; antes, foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida.  31 Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. 32 Então, o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. 33 Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? 34 E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia”.

                Nunca vamos perdoar os outros se pensarmos na dívida que ele tem conosco. É uma dívida real sim, mas é pouco, perto do quanto nós fomos perdoados. Os crentes devem ser as pessoas que mais devem perdoar no mundo. São as roupas que devemos vestir. As pessoas vão se ferir, vão pecar, entre elas, mas também pecamos contra deus, que teve misericórdia e nos perdoou. Isto deve nos fazer ser pessoas perdoadoras. Pois não vamos perdoar pensando sempre no que eles fizerem conosco. Só vamos perdoar se pensarmos no que Cristo fez conosco. Talvez esta seja uma das formas mais profundas que demonstramos que Cristo é tudo. É muito prática, mas é totalmente evangelho. Temos que pregar para nós mesmo e também para nosso povo. Por isso Cristo tem que ser glorioso. A palavra de Deus é nosso alimento e instrução.

                Cristo é tudo para você? Pergunte à pessoa do seu lado? Bom, se Cristo é tudo para você, você terá um coração amoroso. E um coração amoroso demandará, por fim,

 

3.       UMA ESCOLHA: COLOCAR O AMOR NO SEU DEVIDO LUGAR.

14 E, acima de tudo, revesti-vos do amor, que é o vínculo da perfeição.

 

                Amar pessoas é uma das melhores formas de glorificar a Cristo. De provar, na prática, que Cristo é tudo para nós!       Mas é preciso amar a Cristo e as pessoas de todo coração. Nada pode dar errado se amamos a Cristo e às pessoas.

                Werner de Boor, já citado acima, comenta que o amor é colocado neste texto, como se fosse um cinto que amarra ou segura em nosso corpo toda a roupa que Cristo nos deu.

                Em Colossenses 2.19, Paulo nos fala de que o corpo de Cristo é suprido e organizado pelas juntas e ligamentos e vai se desenvolvendo segundo a vontade de Deus. O amor pode muito bem ser esta amarra, estes ligamentos.

                Em 1 Coríntios 13, num contexto em que se falava da comunhão entre os irmãos e que não poderia haver divisão na igreja, Paulo apresentou o amor como sendo o caminho sobremodo excelente, para acabar com todos os problemas relacionais na igreja e na vida. Werner de Boor  afirmou que “ temos de lembrar que esse amor, a ágape, de forma alguma é o que nós comumente entendemos por “amor cristão”. Tampouco ele é algo que possuímos a partir de nós mesmos e que por consequência pudéssemos apresentar como vantagem. Não podemos afirmar, por exemplo: pois bem, para que uma “fé” complicada, para quê todo esse estranho estar morto e ressuscitado com Cristo? Simplesmente “amamos”, e tudo está bem. Não, justamente não és capaz de “amar”. Toda a tua bondade e gentileza natural pertencem ao “velho ser humano” e estão contaminados pelo eu, de modo que precisam morrer! Somente alguém que foi incompreensivelmente amado por Deus, alguém que foi salvo pela cruz do Cristo será capaz de amar com o amor verdadeiro, divino, devendo por isso evidentemente também vestir esse amor “para com todos esses”.”

                Nossa nova roupa cristã, depende de amor.

 

CONCLUSÃO:

                Nossa nova roupa cristã é constituída de um coração amoroso que demanda compreensão da nossa identidade, disposição ao perdão e de colocar o amor no seu devido lugar.

                Enquanto não entendermos o que somos em Cristo, não estivermos dispostos ao perdão e não colocarmos o amor como o caminho superior a ser seguido, continuaremos a viver neste mundo de modo muito aquém do que Cristo espera de nós.

                Você é amado de Deus – então ame!

                Você é perdoado por Deus – então perdoe!

                Vista-se da nova roupa que Cristo lhe deu. Esta roupa está em você, está à sua disposição. Só não se veste dela quem não quer.

 

                E então, o que você vai fazer?

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *