Efésios 6.1-4 Como devemos viver em Família

COMO DEVEMOS VIVER EM FAMÍLIA

 

Efésios 6.1-4

1 ​Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.

2 ​Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa,

3 ​para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra.

4 ​E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.

 

GRANDE IDEIA: O Senhor é a motivação para todas as ações da família do cristão.

 

INTRODUÇÃO:

 

                Em nossas reflexões na carta aos Efésios, descobrimos que ela foi escrita num tempo em que o apóstolo Paulo estava preso. Assim, nesta condição, este apóstolo tinha tempo para escrever suas cartas e formular com mais dedicação aquelas que se tornaram a doutrina e a prática das igrejas cristãs ao longo da história.

                Vimos que do primeiro ao terceiro capítulos, Paulo nos ensinou quem nos somos em Cristo. E que do quarto capítulo em diante ele está nos ensinando como devemos viver, já que descobrimos nossa posição em Cristo. Já que fomos eleitos, adotados por Deus para o louvor da sua glória, precisamos andar de modo digno desta vocação a que fomos chamados.

                Somos a família de Deus, um novo povo formado por pessoas transformadas e salvas por Jesus, gente de toda tribo, língua, raça e nação que se tornou agora, em Cristo, um só povo, uma nova sociedade que deve viver para glória de Deus. E como estes devem andar? Vemos isso no capitulo 4 e 5. Agora continuamos no capítulo 6, sobre como deve ser as nossas ações e relações em família.

                A família do crente deve ser diferente das dos demais, visando mostrar ao mundo que somos que só Jesus Cristo transforma.

                Depois de terminar o capítulo 5 falando sobre como deve ser a pratica entre o casal, Paulo nos fala da relação Pais e Filhos. E nesta relação, como em todas as outras, Cristo é a motivação para o sucesso da família.

                Como devemos viver em família?

 

1.       FILHOS DEVEM OBEDECER E HONRAR SEUS PAIS. (v.1-3)

1 ​Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.

2 ​Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa,

3 ​para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra.

                Nas palavras iniciais do apóstolo, a relação dos filhos para com seus pais começa com a obediência. Ao longo da história a desobediência dos filhos tem sido considerada uma decadência da sociedade. Nos tempos que Paulo escreveu esta epístola, os comentaristas afirmam que estava em vigor no mundo romano a lei do “pater potestas”, tal lei davam aos pais poderes completos sobre os filhos. Ele podiam fazer com eles o que quisessem, casá-los, divorciá-los, escraviza-lo, vende-lo, rejeitá-lo, prendê-lo e até mata-lo. Um filho desobediente poderia ser morto por tal motivo. Na Bíblia um filho desobediente sempre foi considerado uma vergonha para sua família.

                Na carta, Paulo movido pelo Espírito Santo, nos apresenta alguns motivos que devem levar o filho a ser obediente aos seus pais. O primeiro deles, é que obedecer aos é algo justo. A natureza humana pressupõe que os filhos sejam obedientes aos seus pais. Todas as grandes religiões do mundo defendem esta verdade. Para Paulo em Romanos 1.28-30, a desobediência aos pais é um sinal de que a nossa sociedade está decaída, é um sinal do final dos tempos (2 Tm 3.1-3).

                O Velho Testamento prescrevia leis sobre os filhos serem obedientes e honrarem seus pais. Os versos 2 e 3 são citações das leis de Deus em Êxodo 20.12 e Deuteronômio 5.16 encontramos tais mandamentos. Honrar no entanto, é mais do que obedecer. É amar, respeitar e cuidar dos pais. Muitos vezes o filho até obedece seu pai, mas não o honra. Por exemplo, filhos que obedeceram seus pais, mas não cuidam deles na velhice.

                Na Bíblia (Lv. 19.1-3), vemos que honrar o pai e a mãe é honrar o próprio Deus. No velho testamento, desonrar aos pais era um pecado punido de morte (Lv 20:9; Dt 21:18-21). Assim, entendemos que se uma pessoa resiste a autoridade dos seus pais ele está desrespeitando e indo contra a autoridade do próprio Deus.

                Mas além do que já foi dito, honrar pai e mãe, segundo nosso texto, pode trazer alguns benefícios. Paulo fala de ir bem, o que lembra uma vida próspera. É bom lembrar que no Velho Testamento as bênçãos eram terrenas, temporais, como a posse da terra. Já no Novo Testamento nós somos abençoados com toda sorte de bênçãos espirituais em Cristo. Nossas bênçãos alcançam a eternidade com Deus.

                Outro benefício apresentado por Paulo é ter vida longa, isto porque um filho obediente se livra de grandes desgostos. Pastor Hernandes Dias Lopes, listou alguns exemplos interessantes: “Vejamos por exemplo algumas coisas importantes: 1) Ouvir os pais – Quantos desastres, casamentos, perdas, lágrimas e mortes não teriam acontecido se os filhos escutassem os pais. Exemplo: Sansão; 2) Ter cuidado com as seduções – (Pv 1:10) – drogas, sexo, namoro, abandono da igreja e amigos;

 

                Paulo nos lembra ainda no verso 1 que o Evangelho de Cristo mudou nosso coração, portanto, Cristo é a nossa motivação para sermos obedientes aos nossos pais.

                “Cl 3:20 fala que os filhos devem obedecer aos pais em tudo. Mas Ef 6:1 equilibra dizendo que devem obedecer no Senhor. O que Paulo está ensinando? Os filhos devem obedecer aos pais porque eles são servos de Cristo. Eles devem aos pais por causa do relacionamento que eles têm com Cristo. O Desejo de Deus em Cristo é que a sua, a minha, a nossa família seja resgatada à plenitude do seu propósito original para o qual ela foi criada.

                Nossos relacionamentos familiares são restaurados porque estamos no Senhor. Porque estamos em Cristo, nossos relacionamentos são purificados do egocentrismo ruinoso. Os filhos aprendem a obedecer os pais porque isto é agradável ao Senhor (Cl 3:20)” (HDL).

 

 

2.       PAIS DEVEM CRIAR OS FILHOS NA DISCIPLINA E ADMOESTAÇÃO DO SENHOR. – V. 4

4 E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.

                Uma observação interessante neste último versículo é que a ênfase da exortação de Paulo aos pais não está no exercício da sua autoridade, mas em aprender a contê-la.

                Falamos agora pouco do “pátria potestas” Segundo este princípio e lei romana, o pai podia, não só castigar os filhos, mas também vender, escravizar, abandonar e até matar seus filhos. Sobretudo, os fracos, doentes e aleijados tinham pouca chance de sobreviver.

                Mas o Evangelho entrou na vida dos que nele creram. E Paulo ensina que o pai cristão, deve imitar outro modelo.

                E o modelo que o pai evangélico deve seguir é o da paternidade de Deus, A paternidade humana é derivada a paternidade de Deus (3:14-15; 4:6). Os pais humanos devem cuidar dos filhos como Deus Pai cuida da família dele.

                Então, vejam a orientação de Paulo: Ele começa com uma exortação negativa – v. 4 – “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira”. Esta é uma orientação que, eu confesso, tem falado muito em meu coração. Tenho dois filhos pequenos. E sei que não é fácil educa-los. Isso mexeu muito comigo. Ainda tenho muito que melhorar neste assunto.

                Mas é importante lembrar que a personalidade da criança é delicada e os pais podem abusar de sua autoridade, usando ironia e ridicularização. Então, Paulo nos ajuda neste processo, nos dando algumas orientações vindas de Deus para nós. Veja: O excesso ou ausência de autoridade provoca ira nos filhos – Ef 6:4. Outra coisa, o excesso ou ausência de autoridade leva os filhos ao desânimo – Cl 3:20.

                Irmãos, cada criança é uma pessoa peculiar e que precisa ser respeitada nas suas individualidades.

                Os pais podem provocar a ira dos filhos quando:

·         Por excesso de proteção – exemplo da águia.

·         Por favoritismo – Isaque, Jacó

·         Por desestímulo – não consegue agradar os pais

·         Por não reconhecer a diferença dos filhos

·         Por falta de diálogo – Davi e Absalão

·         Por meio de palavras ásperas ou agressão física

·         Por falta de consistência na vida e na disciplina – Pais como espelho.

 

                Por outro lado, Paulo deixou orientações positivas, que também devemos observar – v. 4 – cria-los na disciplina e admoestação do Senhor.

                Irmãos, os pais devem cuidar da vida física e emocional dos filhos – A palavra CRIAR significa nutrir, alimentar. É a mesma palavra que aparece em (5:29). Calvino traduziu essa expressão como: “Sejam acalentados com afeição”. Hendriksen: “Tratai deles com brandura”. As crianças precisam de segurança, limites, amor e encorajamento. Os filhos precisam não apenas de roupas, remédios, teto, educação, mas também de afeto, amor, encorajamento.

                Também temos que lembrar que os pais precisam treinar os filhos através da disciplina – A palavra DISCIPLINA aqui, significa treinamento por disciplina. Disciplina por meio de regras e normas, recompensas e se for necessário castigo (Pv 13:24; 22:15; 23:13-14; 19:15). Só pode disciplinar (fazer discípulo) quem tem domínio próprio. Que direito tem um pai de disciplinar o filho se ele mesmo está precisando ser disciplinado.

                É preciso também lembrar que os pais precisam encorajar os filhos através da palavra – A palavra ADMOESTAÇÃO “nouthesia” = educação verbal. Educar por meio da palavra falada. É advertir e estimular.

                No verso 4, Paulo ainda nos mostra que os pais são responsáveis pela educação cristã dos filhos – ao nos mandar criar os filhos na disciplina e admoestação do Senhor, o uso da expressão “no Senhor” revela que os responsáveis pela educação cristã dos filhos não é a escola nem a igreja, mas os próprios pais.

                Isto porque, por detrás dos pais está o Senhor. Ele é o Mestre e o administrador da disciplina por excelência. É a Ele que devemos imitar. A preocupação básica dos pais não é apenas que seus filhos se lhes submetam, mas que cheguem a conhecer o Senhor e a obedecer-lhe. Dt 6:4-8.

                O alvo da disciplina e do ensino aos filhos não é torna-los obedientes a você, mas filhos que amem a Jesus e que desejem ser como ele. O alvo é Cristo.

 

APLICAÇÕES:

1.       Aos filhos que aqui estão, lembro: sejam obedientes e honre seus pais. Façam isso porque vocês amam ao Senhor. E Deus os recompensará por isso.

2.       Aos pais que estão aqui, lembro: Não irritem seus filhos, mas tendo o Senhor como motivação e foco da sua vida, treinem seus filhos para serem iguais a Jesus, seja por meio da palavra, do ensino, do exemplo, e até mesmo da punição, se for necessário. Mas acima de tudo, estimulem, animem, ajudem seus filhos a amarem a Jesus.

3.       Deus nos abençoe.

 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *