Efésios 5.1-17 Filhos imitando o Pai

FILHOS IMITANDO O PAI.

EFÉSIOS 5.1-17

1 Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados;

2 e andai em amor como Cristo, que também nos amou e se entregou por nós a Deus como oferta e sacrifício com aroma suave.

3 Mas a prostituição e todo tipo de impureza ou cobiça nem sequer sejam mencionados entre vós, como convém a santos,

4 nem haja indecências, nem conversas tolas, nem gracejos obscenos, pois essas coisas são inconvenientes; pelo contrário, haja ações de graças.

5 Porque bem sabeis que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus.

6 Ninguém vos engane com palavras sem sentido; pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os desobedientes.

7 Portanto, evitai a companhia deles;

8 pois no passado éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Assim, andai como filhos da luz

9 (pois o fruto da luz está em toda bondade, justiça e verdade),

10 procurando saber o que é agradável ao Senhor.

11 E não vos associeis às obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, condenai-as;

12 pois é vergonhoso até mesmo mencionar as coisas que eles fazem às escondidas.

13 Mas todas essas coisas, sendo condenadas, manifestam-se pela luz, pois tudo que se manifesta é luz.

14 Por isso se diz: Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará.

15 Portanto, estai atentos para que o vosso procedimento não seja de tolos, mas de sábios,

16 aproveitando bem cada oportunidade, porque os dias são maus.

17 Por isso, não sejais insensatos, mas entendei qual é a vontade do Senhor.

 

GRANDE IDEIA: O cristão prova que é filho de Deus pela imitação do Pai.

 

INTRODUÇÃO:

                Vídeo – filhos imitam o exemplo dos pais. Filho vê, filho faz!

                Como vimos, os filhos imitam seus pais. Infelizmente no vídeo, vimos coisas terríveis que os pais mundanos fazem e que são reproduzidos pelos seus filhos. Mas nosso texto de hoje nos informa que somos filhos de Deus. Mas que a prova de que somos filhos de Deus será dada pelas nossas palavras e atitudes sendo semelhantes à de Jesus.

                Paulo no capítulo 4, falando sobre a unidade e pureza que deve existir nos membros da igreja, nos ensinou que precisamos andar de modo digno da nossa vocação e de modo diferente das pessoas do mundo. Agora, ele acrescenta que precisamos andar em amor como Jesus nos amou, imitando a Deus Pai.

                Já em 5.1, Paulo nos ensina, literalmente, provem que são filhos de Deus. Mas como vamos provar que somos filhos de Deus?

                Ele apresenta 3 respostas:

 

1.       Andar em amor (1,2).

1 Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados;

2 e andai em amor como Cristo, que também nos amou e se entregou por nós a Deus como oferta e sacrifício com aroma suave.

                Como já disse antes, no primeiro versículo a ordem é ser imitador de Deus, como um filho que imita o pai. Flávio Gikovate, médico psiquiatra, afirmava em seus livros uma verdade já confirmada na vida. Os filhos imitam o exemplo do Pai.

                É claro que Deus não pode ser imitado em tudo. Não podemos ser onipotentes, oniscientes, onipresentes, imutáveis, etc. Mas também não foi neste sentido que Paulo nos ordenou imitar a Deus, nosso pai. Seu conselho é: imitem a Deus no amor.

                Amem como ama o Senhor Deus. Amem como Jesus amou vocês. A ideia de andar em amor é fazer disso algo para o cotidiano. Amar para o cristão deve ser uma ação corriqueira. O amor precisa ser a principal regra da nossa vida.

                No amor de Jesus encontramos o tipo de amor com que devemos amar. O amor de Jesus envolve pelo menos dois aspectos: o perdão e o sacrifício.

                Paulo terminou o capítulo 4.32 nos ensinando que devemos perdoar como Deus nos perdoou em Cristo. Ele é a base do nosso amor perdoador. Temos que imitá-lo nisso.

                Somos convidados a amar também de modo sacrificial. O amor que Jesus nos revelou na cruz é o amor que se entrega em favor do outro, mesmo que o outro não mereça ou corresponda. Em Rm 5.8, Paulo afirmou que “Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores”.

                Em 1 João 3.16, lemos assim “Nisto conhecemos o amor: Cristo deu a sua vida por nós e nós devemos dar a nossa vida pelos irmãos”.

                Andar em amor nos levará, sem dúvida, ao perdão e ao sacrifício. Se o seu amor não inclui estas duas coisas, você ainda não está imitando a Deus como filho amado. Para andar em amor é preciso amar como Jesus nos amou. Como você tem amado as pessoas? Até onde está disposto a ir para provar ser filho de Deus?

                Mas Paulo nos exorta que precisamos também, além de andar em amor:

 

2.       Andar como filhos da luz (3-14).

3 Mas a prostituição e todo tipo de impureza ou cobiça nem sequer sejam mencionados entre vós, como convém a santos, 4 nem haja indecências, nem conversas tolas, nem gracejos obscenos, pois essas coisas são inconvenientes; pelo contrário, haja ações de graças.

5 Porque bem sabeis que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus.

6 Ninguém vos engane com palavras sem sentido; pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os desobedientes.

7 Portanto, evitai a companhia deles; 8 pois no passado éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Assim, andai como filhos da luz 9 (pois o fruto da luz está em toda bondade, justiça e verdade),

10 procurando saber o que é agradável ao Senhor.

11 E não vos associeis às obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, condenai-as;

12 pois é vergonhoso até mesmo mencionar as coisas que eles fazem às escondidas.

13 Mas todas essas coisas, sendo condenadas, manifestam-se pela luz, pois tudo que se manifesta é luz. 14 Por isso se diz: Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará.

                No verso 8, Paulo afirmou que no Senhor nos tornamos luz, e que, portanto, como filhos de Deus, devemos andar como filhos da luz.

                Nos versos 3,4, Paulo exemplificou que o verdadeiro amor é altruísta, é pautado em perdão e sacrifício, a exemplo do que Cristo nos fez, mas à partir do verso 5, Paulo nos mostra que este mundo perverteu o verdadeiro amor.

                Já na época de Paulo, o amor era entendido como sexo. Nos nossos dias esta ideia tem sido fortalecida na televisão. Mas o apóstolo está nos ensinando que reduzir o amor perdoador e sacrificial a sexo é perverte-lo, e portanto, é pecar. Por isso ele agrupa os pecados em dois grupos: pecados de sexo (v.3) e pecado de língua (v.4).

                Transcrevi aqui as palavras do Pastor Hernandes Dias Lopes sobre esta passagem, quando afirmou: “Os pecados do sexo não deviam estar presentes na vida dos crentes. A infidelidade conjugal era espantosamente comum nos dias de Paulo. O homossexualismo havia séculos era admitido como uma maneira normal de proceder. Dos quinze imperadores romanos, catorze eram homossexuais. A imoralidade grassava nos templos de Afrodite, em Corinto, e de Diana, em Éfeso. A imoralidade sexual era uma prática comum nesse tempo. Os pecados da língua também não deviam estar presentes na vida dos crentes. Conversação tola, palavras vãs ou chocarrices não devem fazer parte do vocabulário dos crentes. Os cristãos não devem falar palavras obcenas, contar piadas imorais nem se envolver com mexericos fúteis”.

                Irmãos, o mundo denegriu o sexo às ações típicas de animais. O sexo à luz das Escrituras é uma bênção de Deus. É a oportunidade que um casal tem de reproduzir algo sublime, que é a imagem de Deus. Mas qualquer tipo de atividade sexual que não seja dentro de um relacionamento conjugal de amor é uma perversão, uma distorção, constituindo-se em pecado.

                Precisamos agir diferente deste mundo. No verso 5, Paulo alerta para o julgamento de Deus. “5 Porque bem sabeis que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. 6 Ninguém vos engane com palavras sem sentido; pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os desobedientes”.

                Os que vivem na imoralidade e não se arrependem não podem ser salvos. Paulo afirma que não terão herança no reino de Cristo e de Deus. Um reino marcado pela justiça não tolera o pecado nem o seu praticante que não busca arrependimento sincero, transformador de vida.

                Paulo alerta-nos no verso 6 que o mundo tenta enganar a igreja, tornando a Palavra de Deus algo obsoleto e sem valor. Devemos tomar cuidado com as palavras deles, pois são vazias de sentido. Quando o homem rejeita a Palavra de Deus, depois de conhece-la, ele fica debaixo da ira de Deus. O nosso mundo, tem achado natural, comum aquilo que Deus odeia e condena. Não podemos ser desobedientes às Escrituras.

                “Os filhos da desobediência são aqueles que conhecem a lei de Deus e deliberadamente a desobedecem. Sobre esses vem a ira de Deus agora e na eternidade”. (4.17-19; Rm 1.24,26,28).

                Como fugiremos desta imoralidade? Como viveremos uma vida santa? Como viver de modo santo numa sociedade que está cada dia mais afundada no pecado? Paulo responde no verso 7. Evitem a companhia deles. Ou seja, evite a companhia dos impuros, daqueles que insistem em pecar, e ainda tentam evitar ou distorcer a Bíblia para que não se sintam tolhidos a praticarem seus pecados.

                Paulo não está dizendo para que você saia do mundo ou não conviva com eles. Mas que você não faça o que eles fazem, nem sejam participantes de seus pecados.

                No verso 8, Paulo explica o que nos tornamos. Éramos trevas, andávamos nas trevas. Hoje, somos luz, e devemos andar na luz. Devemos viver de acordo com o que nos tornamos em Cristo. “A luz purifica, ilumina, aquece, aponta a direção,

avisa sobre os perigos e produz vida”.

                Mais ainda, nos versos 9,10, Paulo nos ensina a produzir frutos que brilhem, afinal somos luzes. Bondade, justiça e verdade devem ser os nossos frutos. Bondade sendo generosos, justiça, dando a homens e a Deus o que lhes pertence, fazendo o que é correto; e verdade, que é moral, então é algo não apenas para se conhecer ou falar, mas para se fazer.

                No verso 11, Paulo nos ensina a condenar as obras infrutíferas das trevas. Elas são tão más, que é até falar sobre elas é algo vergonhoso. Precisamos deixar de ser cumplices destas obras pecaminosas para reprova-las, e agindo de modo santo, desmascarar tais obras, à luz das Escrituras.

                O pecado não pode ser escondido quando há luz. No verso 13 Paulo afirmou isto. Nossa luz precisa resplandecer neste mundo, para que as pessoas glorifiquem a Deus. “O versículo 14 é uma conclusão natural: “Por isso se diz: Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará”.

A nossa condição anterior em Adão é vividamente descrita em termos de sono, de morte e de trevas. Cristo liberta-nos de tudo isso. A conversão não é nada menos do que despertarmos do sono, ressuscitarmos dentre os mortos e sermos trazidos das trevas para a luz de Cristo”.

 

3.       Andar em sabedoria (v. 15-17)

15 Portanto, estai atentos para que o vosso procedimento não seja de tolos, mas de sábios,

16 aproveitando bem cada oportunidade, porque os dias são maus.

17 Por isso, não sejais insensatos, mas entendei qual é a vontade do Senhor.

                Se você olhar para os 3 últimos versos, verificará que há muitos motivos para vivermos ou andarmos na sabedoria. Ele nos mostra que a vida é curta, precisamos aproveitar bem cada oportunidade. Também nos afirma que os dias são maus. Temos capacidade de entender o plano de Deus para nossa vida.

                Aproveitar bem, ou remir o tempo, como está nas versões antigas, significar literalmente comprar o tempo de volta. É a ideia de tirar o maior proveito do tempo. Cada oportunidade deve ser bem aproveitada.

                Satanás tem feito uma obra eficaz no mundo. Ele tem enganado pessoas e as tem feito gastar todo o tempo para si mesmas e nada para as coisas de Deus. Quem assim vive está escravizado por Satanás. Ele tenta nos pressionar para que, pela falta de tempo não pensemos mais nos valores verdadeiros e reais. Precisamos remir, aproveitar, comprar de volta o tempo para Deus.

                Você precisa usar seu tempo para tirar de satanás o tempo.

                Quem é sábio vai saber discernir a vontade de Deus. (v.17).  Jesus orou para que a vontade do pai fosse feita e não a dele (Lc 22.42). Nada é mais importante na vida do que descobrir e praticar a vontade de Deus.

               

APLICAÇÕES:

1.       O Cristão prova que é filho de Deus pela imitação do Pai.

2.       Há três modos de andar para provar que você é filho de Deus. Andar em amor, andar como filho da luz e andar em sabedoria.

3.       Como você tem andado?

4.       Tem fugido da imoralidade? Tem procurado ser santo? Tem tentado resgatar o seu tempo para servir ao Senhor na sua igreja?

5.       O que tem tomado seu tempo? Deus ou o mundo? Igreja ou atividades particulares? Você está aproveitando o tempo para você ou para glória de Deus?

2 comentário em “Efésios 5.1-17 Filhos imitando o Pai

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *