Efésios 4.1-6 A Conduta Cristã

A CONDUTA CRISTÃ

 

Efésios 4.1-6

 

1 Portanto, eu, prisioneiro no Senhor, peço-vos que andeis de modo digno para com o chamado que recebestes,

2 com toda humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros em amor,

3 procurando cuidadosamente manter a unidade do Espírito no vínculo da paz.

4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança do vosso chamado;

5 há um só Senhor, uma só fé, um só batismo;

6 um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por todos e está em todos.

 

GRANDE IDEIA: O cristão deve agir de forma compatível com a fé que abraçou.

 

INTRODUÇÃO:

                No velho testamento a Bíblia relata que o Rei Davi após vencer uma batalha para seu país, voltou muito animado e começou a brincar e dançar no meio dos seus soldados, à vista de todo o povo. Mas quando chegou em casa, sua esposa o repreendeu, pois, segundo ela, aquele não era o tipo de comportamento esperado de um rei. De certa forma, todos nós temos alguns padrões de comportamento esperado para quem está em funções de liderança, ou dependendo do local. Por exemplo, na porta do Fórum de Itaperuna, havia uma placa informando que, naquele ambiente, não era permitido entrar de roupas esportivas como bermudas, shorts e camisetas.

                Voltando ao nosso texto, Paulo também faz uma advertência no versículo primeiro, afirmando que devemos andar (agir) de modo coerente com a vocação que recebemos, ou com a fé que abraçamos, ou seja, o conjunto de doutrinas que a Palavra de Deus nos ensina.

                Nos capítulos 1, 2 e 3 de Efésios, como vimos, Paulo nos mostrou o que Deus fez por nós, por meio de Cristo, e quem nos tornamos por crermos nele. Recebemos bênçãos sem medida (escolhidos, amados, predestinados para a glória de Deus; Paulo orou pelos crentes de todas as nações não judaicas duas vezes, pedindo que Deus abrisse nossos olhos espirituais e nos mostrasse o seu grande poder que age em nós, o mesmo poder que ressuscitou Jesus. Depois ele nos mostrou como estamos sendo preparados por Deus para nos tornarmos um novo povo santo e exclusivo de Deus, gente de todas as nações ou etnias, unidos num só povo, a família cristã. No capítulo 3 ele nos fala do mistério que Deus lhe revelou, que a união de salvos de todas as nações, formando o povo de Deus, a igreja.

                Agora, neste capítulo 4, a primeira palavra que aparece é “portanto”. Ou seja, com base em tudo o que foi dito até o capítulo 3, precisamos agir de modo coerente, compatível com aquilo que nos tornamos, um novo homem, um novo povo, a família de Deus na terra, a sua preciosa e gloriosa igreja, o corpo de Cristo.

                No verso 1, Paulo se apresenta como o prisioneiro do senhor. Ele não está triste por esta condição, mas está nos ensinando que, por causa do Senhor, é que nossas ações devem ser as melhores, ainda que para sermos um povo santo, santificado, separado para uso exclusivo de Deus, nos cause problemas, como no caso dele, a prisão. Mas a prisão é para nos motivar. A prisão fez com que Paulo escrevesse cartas que até hoje estão nos abençoando. Na prisão, Paulo evangelizou milhares de guardas, até mesmo governadores e o imperador romano. Por Cristo, até a prisão vale a pena.

                Aos irmãos efésios e também a nós, Paulo convida a viver de modo digno da nossa fé.

                Que modo digno é esse? No texto temos 3 respostas:

 

1.       Viver de modo digno é manter uma atitude de humildade e altruísmo em relação aos outros. (v.2)

2 com toda humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros em amor,

                As palavras são interessantes. Humildade, mansidão, paciência, suportando em amor. Nestas 4 palavras, Paulo nos ensina grande lições para a vida.

a.       Humildade – Esta palavra foi elevada ao seu grande valor pelos cristãos. Na Roma antiga, a humildade era desprezada, pois representava fraqueza. Mas em Cristo, segundo Francis Foulkes, a humildade tornou-se uma virtude. Cristo viveu e morreu servindo a Deus e sacrificando-se pelos homens sem se preocupar com reputação. Não podemos nos esquecer da humildade em nosso caráter como cristãos imitadores de Cristo. Para nós, humildade será colocar Cristo em primeiro lugar na nossa vida, os outros em segundo lugar e nós mesmos, em último lugar. Ao proferir as bem-aventuranças, em primeiro lugar Jesus afirmou: “bem aventurados os humildes”.

a.       Como cristãos (imitadores de Cristo), precisamos ser humildes. Reconhecendo nossa fragilidade, nossa dependência do Senhor, e conscientes de que somos criaturas que não podem viver um segundo sequer sem o cuidado de Deus.

b.      Mansidão – Pastor Hernandes Dias, afirma que mansidão não é sinônimo de fraqueza, mas, ao contrário, é a suavidade dos fortes, cuja força está sob controle. É qualidade daquele que sendo forte, sabe se controlar e servir aos outros. A pessoa mansa é capaz de abrir mão de seus direitos. Prefere sofrer o agravo do que inflingi-lo a alguém. Mansidão é poder sob controle. Uma pessoa mansa controla seus temperamento, impulsos, língua e desejos. A mansidão é um fruto do Espírito (Gl 5.22). Se todos os crentes se deixassem dominar pelo Espírito Santo a ponto de serem mansos, muitos problemas das igrejas estariam resolvidos.

c.       Paciência – Para Barclay, paciência é a atitude de nunca revidar. A palavra no original indica aguentar com paciência pessoas provocadoras. O cristão tem que ser paciente. Tem que ser capaz de aguentar um insulto sem amargura nem lamento.

d.      Amor que suporta – A expressão “suportando-vos em amor” tem sido muito aplicada como suportar uma pessoa ouvindo as coisas que ela diz ou faz sem reclamar, mas no original grego, a palavra diz respeito a ser o suporte de alguém, servir de amparo. Mesmo que alguém nos ofenda, é preciso amá-lo e ajuda-lo. Esta é a ideia.

 

2.       Viver de modo digno é preservar a união que o Espírito Santo promove.

3 procurando cuidadosamente manter a unidade do Espírito no vínculo da paz.

                Para Paulo, a unidade que a igreja se forma é promovida pelo Espírito Santo. Nós não temos que buscar a unidade, pois ela já existe. A união entre os membros da igreja não é uma possibilidade é uma realidade causada pelo Espírito. O que acontece, portanto, é que em muitas igrejas, esta união não é preservada, não é mantida.

                O apóstolo nos conclama a manter a união que o Espírito Santo promove e o método para fazer isso é promovendo a paz.

                Em Lucas 6.9 lemos as palavras de Jesus quando ensinava dizendo: “Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus”. A paz é fruto de uma decisão, de uma escolha. Você pode escolher brigar ou pode escolher promover a paz.

                Paulo diz que a paz é um vínculo, ela une as pessoas. Jesus afirma que você e eu devemos promover a paz na igreja e fora dela. Isso se aplica até mesmo dentro de sua casa, com seus vizinhos, com as pessoas de seu relacionamento, mas acima de tudo, na igreja. Onde a união visível, pode ajudar incrédulos a se aproximarem de Jesus. Mas lembre-se que quando falo na igreja, não me refiro ao templo e seus momentos de culto, mas sim, aos relacionamentos que todos temos uns com os outros. Pois é igreja é gente e não templo.

                Precisamos ser promotores da paz, mas esta não é uma ação unilateral. Não somente alguns devem promover a paz, mas todos, sem exceção, devem fazer isto.

                Como se pode promover a paz? Uma pessoa pacificadora buscará em sua vida transformar seu caráter, suas atitudes, seus valores à luz das Escrituras. Não há dúvida sobre a existência de humildade, mansidão, paciência e amor que suporta na vida desta pessoa, conforme já foi falado no ponto anterior.

                Mas há algo que você precisa saber. Esta condição de pacificador não é uma opção, mas uma característica de alguém salvo por Jesus que está submisso ao Espírito Santo. Você tem encontrado essas características na sua vida?

 

3.       Viver de modo digno é conscientizar-se do fundamento para este estilo de vida. (4-8)

4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança do vosso chamado; 5 há um só Senhor, uma só fé, um só batismo;

6 um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por todos e está em todos.

                Concordo com as palavras do Pastor Hernandes Dias Lopes quando afirmou que “Muitas pessoas, hoje, esforçam-se para unir as religiões de forma não bíblica. Elas dizem: “Não estamos interessados em doutrinas, mas em amor”. Dizem: “Vamos esquecer as doutrinas; elas só nos dividem. Vamos simplesmente amar uns aos outros”. Mas Paulo não discute a unidade cristã sem antes falar do evangelho (capítulos 1 a 3). Unidade edificada sobre outra base que não a verdade bíblica é o mesmo que edificar uma casa sobre a areia. A unidade cristã baseia-se na doutrina da Trindade: “Um só Espírito” (4.4), um só Senhor (4.5) e um só Deus e Pai de todos (4.6)”.

                Quando Paulo no versículo 1 rogou a que os irmãos efésios vivessem de modo digno da sua fé, da vocação que receberam em Cristo, o que representaria uma vida de união. Ele tinha em mente que este modo digno precisa de um fundamento, uma base sólida onde poderemos nos firmar para alcançar esta mudança. Nos capítulos 1 a 3, ele desenvolveu toda uma teologia para ensinar o que Deus fez por nós, o que nos tornamos em Cristo. Todas as bênçãos que recebemos e como Deus nos uniu ao restante dos cristãos do mundo. Mas agora, ele acrescenta algo muito importante. A unidade da igreja já existe, por que o Deus que nos escolheu e nos salvou, é um Deus Triúno, que complementa sua igreja, cujos membros também formam um só corpo. Veja a lógica na sequencia apresentada por Paulo:

                Há um só corpo – ou seja, uma só igreja.  Deus não está formando várias igrejas, nem Jesus tem vários corpos, mas um só.

                Há um só Espírito – O Espírito Santo de Deus. Em Rm 8.9, lemos que se alguém não tem o Espírito de Cristo, este não pertence a Cristo.

                Há uma só esperança do nosso chamado – A esperança da volta gloriosa de Jesus Cristo, quando os mortos em Cristo receberão um corpo de glória, os vivos serão transformados e arrebatados para se encontrar com o senhor nos ares. Deus, neste tempo, vai restaurar todas as coisas, e haverá novo céu e nova terra.

                Há um só Senhor – Para nós, os salvos, é Jesus Cristo. Que veio a este mundo, viveu, morreu por nós, e ressuscitou. Como entender que dois crentes que afirmam obedecer ao mesmo Senhor Jesus não consigam andar juntos?

                Gandhi foi perguntado sobre qual seria o maior empecilho para o Evangelho na Índia, e ele respondeu categoricamente: “os cristãos”.

                Há uma só fé – Um só conjunto de doutrinas que devem ser seguidas. Essas doutrinas são o que a Bíblia nos ensina, principalmente no Novo Testamento. Já que este estabelece o modo como Jesus e os apóstolos trouxeram luz ao Velho Testamento. E também a nossa fé pessoal em Jesus.

                Há um só batismo – Aqui não é necessariamente o batismo em água, mas o batismo no Espírito, (1Co 12.13) ou seja, nossa inserção na igreja que envolve todos os crentes de todos os tempos. Todos os que creem em Cristo receberam o Espírito Santo quando creram.

                Há um só Deus e Pai de todos –  Deus é o pai da igreja visível e invisível, ou seja, a igreja que está na terra e a que já está no céu. Deus é sobre todos, age por meio de todos e está em todos.

 

APLICAÇÕES:

1.       O cristão deve agir de forma compatível com a fé que abraçou.

2.       Deve ser humilde, manso, paciente e aprender a dar suporte aos irmãos, a fim de que todos sejam edificados e abençoados em Cristo.

3.       A unidade do Espírito já existe. O que precisamos fazer é preservá-la. Mudanças no seu caráter, na sua conduta, no seu modo de pensar e agir serão necessárias.

4.       O fundamento para a nossa unidade e comunhão é a trindade divina. Deus o pai, vive em plena harmonia com o Espírito Santo e seu filho, Jesus Cristo. A união perfeita entre eles, e a consciência de que estamos todos numa só igreja, abraçando uma só fé, deve servir de base para lutarmos pela preservação da unidade.

5.       Não podemos ser empecilhos ao evangelho. Há alguém precisando de você agora. Ele está sem Jesus e só tem a você, o que você fará?

6.       Viva de modo digno do evangelho.

One thought on “Efésios 4.1-6 A Conduta Cristã

  • hoje quando eu peguei à minha bíblia eu não tinha um texto bíblico para eu lê fiquei virando pasna por pasna da bíblia se sabe o que ler mais a partir do momento que você bota a suas duas mã na bíblia o Espírito Santo envolvem você eu estou começando a gora aminha caminhada com Jesus eu ainda tenho muito oque aprender mais eu ja fui chamado pra pregar pela 1vez na casa do meu pai mais não sei porondi começar é minha primeira vez que vou estar falando do meu pai Jesus de Nazaré

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *