Marcos 14.53-64 A VERDADE A QUALQUER PREÇO

A VERDADE A QUALQUER PREÇO

Marcos 14.53-64

53 Levaram Jesus ao sumo sacerdote; e então se reuniram todos os chefes dos sacerdotes, os líderes religiosos e os mestres da lei.

54 Pedro o seguiu de longe até o pátio do sumo sacerdote. Sentando-se ali com os guardas, esquentava-se junto ao fogo.

55 Os chefes dos sacerdotes e todo o Sinédrio estavam procurando depoimentos contra Jesus, para que pudessem condená-lo à morte, mas não encontravam nenhum.

56 Muitos testemunharam falsamente contra ele, mas as declarações deles não eram coerentes.

57 Então se levantaram alguns e declararam falsamente contra ele:

58 “Nós o ouvimos dizer: ‘Destruirei este templo feito por mãos humanas e em três dias construirei outro, não feito por mãos de homens’ “.

59 Mas, nem mesmo assim, o depoimento deles era coerente.

60 Depois o sumo sacerdote levantou-se diante deles e perguntou a Jesus: “Você não vai responder à acusação que estes lhe fazem? “

61 Mas Jesus permaneceu em silêncio e nada respondeu. Outra vez o sumo sacerdote lhe perguntou: “Você é o Cristo, o Filho do Deus Bendito? “

62 “Sou”, disse Jesus. “E vereis o Filho do homem assentado à direita do Poderoso vindo com as nuvens do céu”.

63 O sumo sacerdote, rasgando as próprias vestes, perguntou: “Por que precisamos de mais testemunhas?

64 Vocês ouviram a blasfêmia. Que acham? ” Todos o julgaram digno de morte.

65 Então alguns começaram a cuspir nele; vendaram-lhe os olhos e, dando-lhe murros, diziam: “Profetize! ” E os guardas o levaram, dando-lhe tapas.

GRANDE IDEIA: A verdade e o plano de Deus devem ser mantidos mesmo que a recompensa seja a morte.

INTRODUÇÃO:

                Erros na Justiça fazem crescer o número de condenados injustamente no RN – “Uma cicatriz que nunca vai sarar”. É dessa forma que Maria Elayne Soares Fonseca da Silva, 19 anos, considera os 149 dias em que ficou detida injustamente no Presídio de Parnamirim-RN, por tráfico de drogas. Uma acusação mesmo que verídica por si só já prejudica a vida do suspeito em vários aspectos. Agora imagine ter a vida virada pelo avesso por uma denúncia infundada e com isso ter que se afastar de familiares, amigos, escola, emprego e ainda “provar” inocência à sociedade que “condena” esses supostos criminosos mesmo antes da sentença da Justiça.

                Essa situação de erros judicais, de condenação injusta faz parte da nossa sociedade. Você já deve ter passado por alguma situação assim em que foi considerado culpado de algo que não fez e recebeu a punição por isso. Acontece desde a infância, quando os pais castigam seus filhos sem se certificarem de que eles são verdadeiramente culpados. Bom, esta é a situação de Jesus neste texto. Mas ele não recebeu apenas algumas varadas ou ficou de castigo. Ele foi condenado a morte. Este texto bíblico que lemos agora, nos apresenta o que Jesus sofreu para manter firme a verdade e o plano de Deus para sua vida. E neste relato de seu julgamento e condenação encontramos 3 lições:

  1. 1.O SEU SILÊNCIO PODE FAZER COM QUE O ERRO DOS OUTROS SE EVIDENCIE.

53 Levaram Jesus ao sumo sacerdote; e então se reuniram todos os chefes dos sacerdotes, os líderes religiosos e os mestres da lei.

54 Pedro o seguiu de longe até o pátio do sumo sacerdote. Sentando-se ali com os guardas, esquentava-se junto ao fogo.

55 Os chefes dos sacerdotes e todo o Sinédrio estavam procurando depoimentos contra Jesus, para que pudessem condená-lo à morte, mas não encontravam nenhum.

56 Muitos testemunharam falsamente contra ele, mas as declarações deles não eram coerentes.

57 Então se levantaram alguns e declararam falsamente contra ele:

58 “Nós o ouvimos dizer: ‘Destruirei este templo feito por mãos humanas e em três dias construirei outro, não feito por mãos de homens’ “.

59 Mas, nem mesmo assim, o depoimento deles era coerente.

60 Depois o sumo sacerdote levantou-se diante deles e perguntou a Jesus: “Você não vai responder à acusação que estes lhe fazem? “

61 Mas Jesus permaneceu em silêncio e nada respondeu. Outra vez o sumo sacerdote lhe perguntou: “Você é o Cristo, o Filho do Deus Bendito? “

                Tudo o que você leu do verso 55 até o 59 são relatos de um julgamento injusto e ilegal contra Jesus. No início do cap. 14, já fomos informados que os líderes judaicos planejavam a morte de Jesus, só estavam esperando passar os dias da festa da páscoa judaica. Mas parece que as ações de Judas adiantaram seus intentos. Agora Jesus é levado para a casa de Anás, depois para o sinédrio, onde que era formado por 71 homens, e por fim, Jesus foi julgado por Pilatos e Herodes. O julgamento judeu começou e terminou cheio de erros e ilegalidades. Aqueles homens já tinham a sentença de que Jesus morreria, eles só precisavam achar as provas ou um meio de condená-lo. Vejam algumas das ações ilegais:

  1. 1.Foi feito à noite, quando deveria ser de dia.
  2. 2.Jesus não teve chances de defender-se, nem um advogado como prescrevia a lei.
  3. 3.Todo o sinédrio agia como promotores e não como juízes.
  4. 4.As testemunhas eram falsas (compradas) e o testemunho delas também era falso, ficando incoerentes.

                Diante desta realidade de um julgamento velado, injusto, corrupto, Jesus ficou em silêncio. Ele cumpriu o que dizia a profecia de Isaías 53.7, repetida em 1 Pedro 2.23: “[…] como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”.

                Aqui Jesus nos ensina que não compensa falar algo quando tudo o que os outros tem contra nós é mentira. Nosso silêncio apenas ajuda a evidenciar a mentira e a falsidade dos outros. Os testemunhos ficam sempre incoerentes. Jesus amou aquelas pessoas que planejavam sua morte. Como você fica nesta situação?

                Nosso grande desafio: optar pelo silêncio! Deixar que aqueles que te condenem que se esforcem para fundamentar suas acusações.

  1. 2.A VERDADE DEVE SER MANTIDA MESMO QUE CAUSE PREJUÍZO.

61 Mas Jesus permaneceu em silêncio e nada respondeu. Outra vez o sumo sacerdote lhe perguntou: “Você é o Cristo, o Filho do Deus Bendito? “

62 “Sou”, disse Jesus. “E vereis o Filho do homem assentado à direita do Poderoso vindo com as nuvens do céu”.

                No julgamento ilegal que Jesus sofreu. Aconteceu mais duas situações ilegais. Primeiro o sumo sacerdote perdeu sua compostura. Ele deveria agir como Juiz, mas ao que tudo indica, ele saiu de sua posição, caminhou em direção a Jesus de forma a intimidá-lo e lhe fez uma pergunta que Mateus afirma que feita sob juramento: “Você é o Cristo, o Filho do Deus Bendito?”. Fazer esta pergunta era quebrar a lei que dizia que não se poderia fazer perguntas cuja resposta geraria condenação para si mesmo. Mas o Caifás fez esta pergunta. Jesus sabia que responde-la era se entregar para morrer, mesmo assim ele respondeu: “Sou”. E vereis o filho do homem assentado a direita do Poderoso vindo com as nuvens do céu”.

                Com estas palavras Jesus admitiu que ele era o Messias prometido, e mais, admitiu que sua divindade.

                Ele preferiu morrer a mentir. Ele preferiu a cruz, do que frustrar os planos de Deus para sua vida. Ele cumpriu o que ele ensinava. Não tentou salvar sua vida para perde-la espiritualmente, mas perdeu sua vida, para salvá-la. Pois a Bíblia registra que “Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor para a glória de Deus Pai”. (Filipenses 2.9-11).

                Queridos, Jesus nos ensina que não podemos negociar a verdade, nem os propósitos de Deus. Ainda que a morte seja o que nos espera, é preciso manter-se fiel à vontade de Deus para nossa vida. Paulo nos orientou sobre isso. Ele afirmou em Rm 8.18 “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nos será revelada”; e no 36 Ele diz que “Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro”; Mas ele continua afirmando que “em todas estas coisas somos mais do que vencedores por meio daquele que nos amou” (37).

                Jesus foi vencedor. A morte não foi uma surpresa para ele. Ela estava na sua agenda. Manter-se fiel à vontade e propósitos de Deus estava nos seus planos. Ele estava disposto a morrer para cumprir a vontade de Deus para sua vida. E você? Mantenha a verdade, ainda que haja prejuízo. Sofra os danos, mas saiba que Deus está no controle. Ele tem uma glória maior reservada aos que lhe são fieis a todo custo.

  1. 3.A INJUSTIÇA E A HUMILHAÇÃO PODEM FAZER PARTE DA VIDA DO SERVO DE DEUS.

64 Vocês ouviram a blasfêmia. Que acham? ” Todos o julgaram digno de morte.

65 Então alguns começaram a cuspir nele; vendaram-lhe os olhos e, dando-lhe murros, diziam: “Profetize! ” E os guardas o levaram, dando-lhe tapas.

                Quando ouviram Jesus afirmar que Ele era o filho de Deus, o Cristo, o Messias prometido, os sacerdotes tinham uma acusação contra Jesus. Ele se havia feito Deus e Rei dos Judeus. Ele merecia a morte. Não quiseram ouvi-lo. Não quiseram lhe dar oportunidade de defesa. Não quiseram a verdade. Pois a verdade ameaçava seus cargos e suas funções.

         O resultado da injustiça, do julgamento ilegal foi a humilhação pública. Taparam os olhos dele e lhe davam murros e tapas. Mandavam que profetizasse, que adivinhasse quem estava fazendo aquilo. Zombavam publicamente de Jesus humilhando-o. O que Eles não se atentaram, é que Ironicamente, as ações deles só confirmaram o papel profético e a messianidade de Jesus, cumprindo as predições que Ele fizera (8.31; 10.33,34)”.

                A experiênca de ser injustiçado e humilhado publicamente por Jesus, é uma prova de que estas situações podem ocorrer com os servos de Deus, com aqueles que querem cumprir sua vontade.

                Nos últimos tempos, temos percebido que todos que escolhem não negociar a Palavra de Deus, mas que procuram pregar a Bíblia e viver o que ela ensina são menosprezados, são considerados antiquados, sofrerão perseguições e injustiças. No entanto, o que Jesus nos ensina é que vale a pena viver para glória de Deus! Nosso sofrimento, lutas, perseguições, injustiças, humilhações, nada disso deve nos parar ou desanimar, pois vale a penar servir ao Senhor com dedicação, sofrer os danos, pois o que Deus está fazendo em nossas vidas é muito melhor.

                As palavras de Jesus são verdade para nós. Ele afirmou em Mateus 16.25-27 dizendo: “25 Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa, a encontrará. 26 Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma? 27 Pois o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então recompensará a cada um de acordo com o que tenha feito”.

CONCLUSÃO:

                O que aprendemos hoje com o julgamento de Jesus é que a verdade e o plano de Deus devem ser mantidos mesmo que a recompensa seja a morte. Porém, precisamos crer que Deus tem algo maravilhoso para nós. A dor, o sofrimento, a perseguição, as injustiças, a humilhação, Jesus passou por tudo isso, e nos ensina que Deus tem bênçãos para nos dar. 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *