1 Coríntios 15.1-11 A RELEVÂNCIA DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO

1 CORÍNTIOS 15.1-11

1 Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual recebestes e no qual ainda perseverais;

2 por ele também sois salvos, se retiverdes a palavra tal como vo-la preguei, a menos que tenhais crido em vão.

3 Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,

4 e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.

5 E apareceu a Cefas e, depois, aos doze.

6 Depois, foi visto por mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maioria sobrevive até agora; porém alguns já dormem.

7 Depois, foi visto por Tiago, mais tarde, por todos os apóstolos

8 e, afinal, depois de todos, foi visto também por mim, como por um nascido fora de tempo.

9 Porque eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a igreja de Deus.

10 Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo.

11 Portanto, seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim crestes.

GRANDE IDEIA: A ressurreição de Cristo é a base da nossa fé.

INTRODUÇÃO:

                Residia em certa cidade norte-americana um homem com sua esposa e três filhos; estes estavam a serviço de seu país em guerra. Dentro de três semanas, chegaram três notas do governo indicando que os três rapazes ou haviam morrido na luta, ou estavam desaparecidos. Foi um golpe terrível.

Aproximava-se a Páscoa, e houve muitos comentários entre os vizinhos, conjecturando se o casal estaria ou não presente no próprio culto comemorativo.

Ao chegar o dia, lá estavam os dois. Havia naquela manhã, na congregação, um garotinho que ocupava o lugar imediatamente atrás dos pais de coração ferido. O rapaz ouvira falar da tragédia, e observou-os durante todo o culto. Viu-os abrir o hinário, e erguerem-se, e cantarem, e orarem juntamente com a congregação. Viu-os tomar parte na leitura bíblica do triunfo glorioso de Cristo sobre a morte. O menino estava perplexo. Na hora da oferta, os olhos vivos do menino observaram o homem, que ele sabia ser relativamente pobre, depositar uma quantia generosa. O pequeno não se pôde conter mais. Puxou seu pai, que estava ao seu lado, e segredou-lhe ao ouvido:

– Pai, eles devem crer nisto.

– Que você quer dizer, filho?

– Ora, eles devem realmente crer na ressurreição. Estão aqui. Cantaram. Leram a Bíblia; e pense nisto, pai, deram até um bom dinheiro. Pai, eles devem crer nisto!”.

                Nosso texto de hoje fala exatamente disto. A ressurreição de Cristo como ponto chave da nossa fé cristã. Crer que Jesus ressuscitou é fundamental para nossa vida cristã, nossa religião, nossa esperança futura, nossas relações, enfim, para tudo.

                Nestes primeiros 11 versículos do capítulo 15, temos 3 considerações importantes sobre a ressurreição de Cristo:

  1. 1.A RESSURREIÇÃO DE CRISTO É NOSSA GARANTIA DE SALVAÇÃO. (1,2)

1 Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual recebestes e no qual ainda perseverais; 2 por ele também sois salvos, se retiverdes a palavra tal como vo-la preguei, a menos que tenhais crido em vão.

  • Até o capítulo 14 desta 1 carta aos coríntios, Paulo já havia falado de muitos problemas da igreja. Após deixar orientações para que melhorassem e organizassem o culto público, o apóstolo inicia um novo assunto que também era alvo de críticas e problemas naquela igreja.
  • O novo assunto era a ressurreição de Cristo. Ao que parece havia muitas ideias novas surgindo e colocando em perigo o puro evangelho que fora pregado em Corinto, da parte de Paulo. Ainda hoje, de tempos em tempos, novas teorias e questionamentos surgem e tentam invalidar e distorcer a fé bíblica.
  • Paulo, já no verso 1, chama a atenção daqueles irmãos a que se lembrassem do evangelho que ele havia pregado no passado. Os ensinos de Paulo se constituíam em doutrina e revelações bíblicas, dotadas de autoridade divina. Crer em outra mensagem ou distorcer o que se havia pregado era algo muito perigoso. O próprio Paulo chegou a afirmar em Gálatas 1.8 que “ainda que nós (ele) ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema”. Aos próprios coríntios, Paulo também asseverou que eles se desviavam da doutrina bíblica original. Em 2 Coríntios 11.4 ele disse: “Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais”.
  • Assim, Paulo expõe que o evangelho por ele anunciado traria a salvação de todos os que cressem, mas eles deveriam crer no evangelho do jeito que ele lhes havia pregado. A distorção do evangelho original e bíblico causaria o perigo de ser uma fé vã, sem conteúdo, e sem resultados eternos.
  • O perigo pelo qual passavam os crentes coríntios é uma realidade em nossos dias. Quanto mais distantes nós ficamos da época em que os fatos bíblicos sobre Jesus aconteceram, mas heresias e doutrinas distorcidas vão surgindo. Assim, o perigo de crermos num Cristo que não é o bíblico aumenta. A realidade de Mateus 7.21-23 se torna evidente e próxima.
  • A pergunta aqui é, o evangelho que você diz crer é o da Bíblia? Você está certo disto? Você crê num Jesus que está vivo? Não só em espírito, mas também com o corpo? Esse é o evangelho da nossa salvação. Cristo morto e ressuscitado.
  • É assim que Paulo nos apresenta outra verdade, a verdade que:
  1. 2.A RESSURREIÇÃO DE CRISTO É PARTE INTEGRANTE DO EVANGELHO. (3,4)

3 Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, 4 e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.

  • É interessante o que Paulo diz no verso 2. Ele entregou um evangelho que também recebeu. Aqui se evidencia a obra da igreja. O evangelho demanda que os crentes compartilhem o que aprendem de Cristo. Minha experiência de salvação e vida cristã deve ser compartilhada para que outros possam crer em Cristo e no Cristo vivo.
  • O evangelho que Paulo recebeu, e que a Bíblia aponta como verdadeiro, inclui a morte de Jesus Cristo pelos nossos pecados. Um sem número de pessoas morrem todos os anos desde que o mundo foi criado. Milhares morreram crucificados pelos romanos. O que diferencia Jesus deste outros mortos? Esta diferença está no fato de que Jesus é o filho de Deus e que sua morte foi um sacrifício para perdão completo de nossos pecados, conforme o ensinamento das Escrituras do Velho Testamento. A morte de Jesus estava profetizada no passado e era cumprimento destas profecias. Ou seja, Deus estava e sempre está no controle da história humana.
  • Mas, além disso, o evangelho que Paulo recebeu inclui também que Jesus foi sepultado. O sepultamento de Jesus é uma realidade que não pode ser considerada menos importante. Ela revela a humanidade perfeita de Jesus. E assim o coloca como homem perfeito e Deus perfeito. Capaz de se tornar, verdadeiramente, o único mediador entre Deus e os homens.
  • Paulo ainda afirma que Jesus ressuscitou ao terceiro dia. É interessante nas palavras de Paulo a expressão “segundo as Escrituras”. Ela é repetida várias vezes para enfatizar que o que aconteceu não é uma invenção humana, mas obra de Deus, cumprimento de sua vontade.
  • Assim, com estes dois versículos, Paulo deixa clara a composição do Evangelho de Cristo. Morte pelos pecados, sepultamento e ressurreição. O evangelho não está completo se a ressurreição não for pregada. É a ressurreição que nos garante a vida eterna. A morte de Jesus paga o preço pelos nossos pecados, o sepultamento de Jesus evidencia a humanidade de Jesus e o controle de Deus na história, mas a ressurreição é a nossa garantia de que, quando cremos em Jesus, nascemos de novo espiritualmente falando, e temos a certeza de uma ressurreição e de moradia eterna ao lado de Deus.
  • Ao falarmos de Jesus para alguém, nunca podemos nos esquecer de que Jesus está vivo, e que é por isso que ele pode nos salvar e nos ajudar. Evangelho sem ressurreição não é evangelho completo.
  • O que causa em seu coração saber que Jesus está vivo?
  • Saber que Jesus está vivo e que garante eu viverei eternamente com ele me tira todos os medos, inclusive o medo da morte.
  • Faz sentido as palavras de Paulo – Para mim o viver é Cristo é o morrer é lucro. (Filipenses 1.21).
  1. 3.A RESSURREIÇÃO DE CRISTO É UMA REALIDADE CONFIRMADA. (5-11)

5 E apareceu a Cefas e, depois, aos doze. 6 Depois, foi visto por mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maioria sobrevive até agora; porém alguns já dormem.

7 Depois, foi visto por Tiago, mais tarde, por todos os apóstolos 8 e, afinal, depois de todos, foi visto também por mim, como por um nascido fora de tempo. 9 Porque eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a igreja de Deus. 10 Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo. 11 Portanto, seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim crestes

  • Uma das grandes dúvidas que muitos levantam na atualidade é se Cristo realmente ressuscitou. Segundo a história até 25 anos depois da ressurreição de Jesus ninguém duvidava deste assunto. Mas, à medida que o tempo foi passando e este fato foi ficando distante, esses problemas começaram a aparecer.
  • Neste texto, Paulo deixa provas claras da ressurreição de Cristo. Isto porque ele fala de pessoas que viram Jesus vivo depois da sua morte e sepultamento. Ele viram, conversaram, tocaram, comeram juntos com Jesus. E não foram apenas os apóstolos que viram. Ele apareceu primeiro a Cefas, que é Pedro, depois aos 12 apóstolos, depois a mais de 500 irmãos de uma só vez. E Paulo acrescenta que alguns destes ainda estavam vivos. Ou seja, se alguém tivesse dúvidas, poderiam confirmar com alguns destes 500 irmãos que ainda viviam, pois eles eram testemunhas oculares deste fato. Depois apareceu a Tiago, irmão de Jesus e aos 12, e por último para ele, Paulo.
  • Chama a atenção, que Paulo destaque duas pessoas a quem Cristo apareceu. O primeiro foi Cefas (Pedro) e depois Tiago. Pedro havia negado a Jesus, antes de sua crucificação, mas se arrependeu tanto que chorou amargamente. Parece que Jesus foi até ele para confortá-lo. O contato de Jesus com Pedro foi mais uma prova do seu amor a todos que o rejeitam. Ele insiste com eles. Tiago, o irmão de Jesus, também foi outro que o rejeitou. João 7.5 que diz que “nem mesmo os seus irmãos criam nele”. A um relato em livro apócrifo que Tiago havia decidido parar de comer até a morte, a não ser que Jesus fosse vê-lo e o perdoasse pela sua incredulidade. O relato afirma que Jesus foi até ele e comeram juntos. Tiago, irmão de Jesus, é o autor do livro de Tiago no Novo Testamento. Assim é possível ver o grande amor de Jesus. Ele não desiste de nós. Ele continua dando oportunidade a todos que o rejeitaram de crerem nele e serem transformados.
  • No verso 7, Paulo afirma que Cristo apareceu também a ele. Mesmo fora do tempo, ele foi também testemunha ocular. A última delas.
  • Os versos seguintes são uma lição de humildade de Paulo. Ele demonstra sua grandeza sem deixar de ser humilde. Isto porque apesar de grandes realizações, ele admite. Que fez tudo foi a graça de Deus sobre sua vida. Deus é glorificado enquanto o apóstolo se mostra apenas grato por ser usado. Que exemplo para sua vida não? Será que você consegue entender que tudo que fazemos de bom é feito pelo poder de Cristo em nós? E não nós que fazemos? A glória é do Senhor. Não merecemos aplausos, nem destaque. Somos instrumentos nas mãos do Senhor.
  • Paulo termina no verso 11, afirmando que tantos os apóstolos quanto ele pregavam Cristo ressuscitado. E que os coríntios haviam crido nisto. Deviam então evitar que fossem desviados dessa realidade.
  • E você, no que você crê a respeito de Jesus?

CONCLUSÃO

                Jesus está vivo. Ele morreu por nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia. Sua ressurreição é a garantia de nossa salvação, é parte integrante do evangelho e uma realidade histórica confirmada com muitas testemunhas.

                Tudo isto para que você creia e seja salvo. Crendo no evangelho verdadeiro, bíblico, completo e não distorcido. Para que sua fé e crença não seja vã.  Jesus ressuscitou esta é nossa garantia. A morte não tem mais poder sobre ele, nem terá sobre nós.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *