1 Coríntios 10.31 a 11.1 – A GLÓRIA DE CRISTO É O MEU ALVO

Texto: 1 Coríntios 10.31-33 a 11.1

31 Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. Cl 3:17;

32 Vivam de tal maneira que não prejudiquem os judeus, nem os não-judeus, nem a Igreja de Deus. Rm 14:13;

33 Façam como eu. Procuro agradar a todos em tudo o que faço, não pensando no meu próprio bem, mas no bem de todos, a fim de que eles possam ser salvos. 1Co 9:22;

1 Sigam o meu exemplo como eu sigo o exemplo de Cristo. 1Co 4:16; Fp 3:17; 1Ts 1:6; 2Ts 3:9;

Grande ideia: A glória de Cristo é o alvo do cristão nas relações consigo mesmo, com a igreja e com os outros.

INTRODUÇÃO:

                Uma de nossas canções aqui na igreja tem uma letra que diz bem o que este texto nos mostra: Título: Meu alvo. “Estou subindo pra um lugar mais alto / Eu já queimei as pontes com o passado / E em meus olhos vejo o futuro / Tudo novo se fez, tudo novo se faz / E dessa estrada eu não me desvio nunca mais /Estou firme, eu não me desvio nunca mais / Vou avançar, eu vou crescer / Ninguém vai me deter / Meu alvo é Cristo, meu alvo é Cristo”.

                O capítulo 10 foi marcado pelos ensinos de que temos liberdade em nossa vida espiritual, liberdade esta que alcançamos em Cristo, mas que nossa liberdade é condicionada a alguns pontos. Não podemos deixar que os padrões do mundo tenham domínio sobre nós. Nossa liberdade não se aplica necessariamente a fazer tudo, mas sim a sermos capazes de dizer não aquilo que não queremos fazer. E porque existem coisas que não convém que façamos, devemos fazer escolhas em nossas vidas. Mas porque precisamos escolher? Qual o motivo disto? Sem dúvida, a motivação que Paulo nos apresenta para toda e qualquer ação de nossa parte é a glória de Cristo. Cristo deve ser nosso alvo. Sua glória é nosso alvo. Pensamentos, palavras, ações e atitudes que tivermos devem nos conduzir a glorificação de Jesus Cristo e não fazer isso é satisfazer aos interesses do diabo.

                Assim, o texto que lemos nos remete a este alvo. E nos trazem algumas orientações práticas. Devemos glorificar a Cristo em nossas relações com Deus, com a Igreja e com as pessoas não crentes. Assim que, viver para glória de Cristo é:

  1. 1.FAZER TUDO PARA GLÓRIA DE DEUS. (v.31)

                Paulo começa o versículo 31 dizendo “Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus”. Esta pequena conjunção traz a ideia de conclusão do que fora falado antes. Neste caso, basta olharmos para os versículos anteriores e lembrarmos do que Paulo havia escrito. Neste capítulo, que já encerramos, Paulo nos fala alguns conselhos bem práticos – v. 6 – que não queiramos coisas más; v.7 – não adoremos ídolos; v.8 – não cometer imoralidade sexual; v.9 não por a prova a paciência de Cristo; v.10 – não murmurar; v.11 – ele diz que tudo o que aconteceu no passado é para nosso exemplo.

                Assim Paulo entra no versículo 31, chamando nossa atenção, afirmando que, por causas das coisas que ele citou e o que aconteceu com o povo judeu no passado, e visando preservar sua fé e sua integridade, você deve fazer tudo para glória de Deus. Em Colossenses 3.17 ele afirmou do mesmo modo, dizendo: – “E tudo o que vocês fizerem ou disserem, façam em nome do Senhor Jesus e por meio dele agradeçam a Deus, o Pai”.

                É interessante. Cristo deve ser o foco das minhas atenções e das minhas intenções. É o meu relacionamento com Cristo que está em jogo aqui. Quando era seminarista, ainda trabalhava no laboratório de um hospital em Itaperuna. Era responsável pelos resultados dos exames e pela recepção. Um dia apareceram três moças. Eram muito bonitas. Eu tinha começado a fazer seminário. Como sempre fui muito tímido, saí da recepção e deixei uma funcionária atendendo as três moças. Uma delas perguntou por mim. Queria de todo jeito que eu fosse à recepção conversar com ela. Mas, pelo comportamento que mantiveram na recepção, eu já sabia que as intenções não eram boas. Então mandei dizer que não iria. Elas insistiram. Então eu fui. Uma delas segurou minhas mãos, mas antes que começasse a falar qualquer coisa que eu não gostaria de ouvir, perguntei: vocês já ouviram falar de Jesus Cristo? A moça se assustou. Respondeu que não e então eu comecei a evangelizar. Rapidamente, uma delas disse: Menina, já está tarde, a gente precisar ir. E saíram. Fui zombado pelos colegas de trabalho, mas me sentia um vencedor, afinal, meu alvo é Cristo. Pude compartilhar Jesus e exaltá-lo naquele momento.

                Da lista de Paulo no capitulo 10, o versículo 9 me chama a atenção. Não coloque à prova a paciência de Cristo. Ele é amor, ele deseja nossa vitória espiritual, mas se pecarmos voluntariamente, devemos saber que sua paciência tem limites. Pecar é colocar este limite à prova. O ideal é fazermos tudo para glória de Cristo. Falando ou fazendo, que Cristo seja o foco da sua vida. Você faz isso?

Viver para a glória de Cristo é:

  1. 2.FAZER TUDO PARA NÃO PREJUDICAR A IGREJA.

“32 Vivam de tal maneira que não prejudiquem os judeus, nem os não-judeus, nem a Igreja de Deus”.

                Paulo está escrevendo para uma igreja. A igreja de Corinto tinha um grande potencial. Estava localizada numa cidade onde ela precisava fazer diferença em meio à sua sociedade, o evangelho se expandiria muito se aquela igreja o vivesse na sua totalidade. Mas o contrário estava acontecendo. Achando-se superiores, membros da igreja de Corinto repetiam as ações das pessoas mundanizadas, sem qualquer desejo de seguir a Cristo.  Paulo sabia que a falta de unidade na igreja, os maus exemplos que eles possuíam em sua membresia, dificultava a propagação do evangelho.  Assim, ele faz um apelo importante – vivam de tal maneira que não prejudiquem ninguém.

                Esse apelo tem a ver com as atitudes externas. Tanto no culto quanto nas ruas. O comportamento de um cristão não poderia trazer ou causar prejuízos. Mas como um cristão pode prejudicar sua igreja? Talvez você pergunte. Em Romanos 14:13. Portanto não nos julguemos mais uns aos outros; antes o seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao vosso irmão. Tudo começa na maneira como nos tratamos, como lidamos uns para com os outros.

            Os mesmos conselhos do capítulo 10 podem ser trazidos à tona novamente. v. 6 – que não queiramos coisas más; v.7 – não adoremos ídolos; v.8 – não cometer imoralidade sexual; v.9 não por a prova a paciência de Cristo; v.10 – não murmurar;

                Será que esses pecados acontecem na igreja nos dias de hoje? Será que temos pessoas que estão desejando coisas que não são compatíveis com um cristão desejar? Será que temos irmãos colocando pessoas, coisas, programas, atividades como primeiro lugar de suas vidas, e Cristo está ficando para depois. Será que não há pessoas cometendo imoralidade sexual? Será que há murmuração entre nós?

                A palavra murmurar, do grego, gogguzo, significa literalmente, aquele que fala algo contra em tom baixo ou que confabula secretamente. Ou seja, não agem de frente, mas às escondidas. Essa atitude é tão prejudicial quanto a imoralidade sexual. A igreja sofre com pecados de imoralidade, sofre quando pessoas murmuram. Mas o que Paulo deixa claro, no contexto, é que tanto um quanto os outros pecados, Deus os pune. Pois não deseja que sua igreja seja prejudicada.

                Devemos nos posicionar contra o pecado, sempre tendo Cristo como nosso alvo, como nosso modelo e como nosso exemplo. Por isso Paulo apela para o modo de viver. Como é que você vive? Suas palavras e ações abençoam ou prejudicam a igreja?

Viver para glória de Cristo é:

  1. 3.PENSAR NA SALVAÇÃO DOS OUTROS.

33 Façam como eu. Procuro agradar a todos em tudo o que faço, não pensando no meu próprio bem, mas no bem de todos, a fim de que eles possam ser salvos.

1 Sigam o meu exemplo como eu sigo o exemplo de Cristo.

            Nos dois últimos versos, Paulo nos chama atenção para nossa vivência na sociedade. Agora já não se trata de mim mesmo em relação a Deus ou de mim para com a igreja. Cristo pode, de alguma forma, ser vivido como alvo do cristão quando ele está sozinho ou quando está na comunhão com os irmãos na igreja. Mas Paulo nos convida a pensar naqueles que estão de fora da igreja. Naqueles que ainda não tem Jesus no coração.

            Nas suas palavras, Paulo afirma que procurou agradar a todos toda vez que fazia alguma coisa, não visando seu próprio bem, sua preocupação era direcionada aos outros, principalmente visando a salvação deles.

            Vejam que exemplo de vida! Em tudo o que fala ou faz, havia interesse em ser bênção para alguém. E ele pede. Sigam o meu exemplo, como eu sigo o de Cristo. Os evangelhos ainda não estavam escritos. Os coríntios não conheciam Jesus. Mas o Jesus que eles conheciam era Paulo, que buscava viver uma vida exemplar, fazendo de tudo para que eles percebessem que Cristo, de fato, transforma a vida das pessoas. O testemunho das palavras e das ações de Paulo, eram a prova de que ele fora transformado por Jesus. E que esta transformação era possível a todos.

            A vida do cristão é observada pelos outros. Se ele não colocar Cristo como seu alvo; se ele não viver como vivia a Jesus, como tais pessoas poderão crer que Jesus transforma? Se as coisas de Cristo não forem importantes para você, se imitar a Jesus não for seu alvo de vida, como você poderá abençoar pessoas que não sejam ainda salvas?

            Cristo é tudo para você? Então prove, vivendo de maneira agradável a Deus e aos homens, fazendo de tudo para que eles sejam salvos. Isso salvará muitas vidas e vai glorificar a Cristo acima de tudo.

 

CONCLUSÃO:

            O texto que lemos mostra que A glória de Cristo é o alvo do cristão nas relações consigo mesmo, com a igreja e com os outros. Faça tudo para glória de Deus, faça tudo para não prejudicar a igreja e faça tudo para salvar pessoas.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *