TUDO COMEÇOU ASSIM…

Nasci no dia 27 de Maio de 1971, na cidade de Itaperuna-RJ, na maternidade da Casa de Saúde e Maternidade Santa Terezinha, hoje, Hospital das Clínicas. Meus pais, Pastor Joaquim Teixeira Dias (in memorian) e Izabel da Costa Dias, eram membros da Quarta Igreja Batista de Itaperuna. Naquele tempo, meu pai era diácono e vice-moderador da igreja, além de membro-fundador, então, ainda pequeno, eu era sempre conduzido à Igreja.

Em 1979, por ocasião de uma Série de Conferências Evangelísticas, em que pregava o Pastor Oséias Ramos de Farias e cantava o irmão e cantor profissional, José Geraldo, Deus falou ao meu coração e, deixando meu exemplar de “cantor cristão” com o irmão Onofre Cândido (in memorian), dirigi-me até próximo ao púlpito entregando minha vida a Jesus Cristo.

Passei pela classe de preparação para o batismo e estudei muito, sendo então batizado pelo Pastor Cássio Peçanha de Souza (in memorian), no dia 12 de Julho de 1980, no templo da Quarta Igreja Batista de Itaperuna, aos nove anos de idade. Foi também neste período que Deus colocava no meu coração um desejo constante de ser pastor. Não tive uma experiência única de chamada ao ministério, mas tive um desejo que começou nesta fase à partir dos 8 anos de idade e perseguiu-me por toda a vida, até concretizá-lo com a ordenação ao ministério.

O ENVOLVIMENTO COM A MÚSICA E A LIDERANÇA…

Comecei a frequentar os ensaios dos conjuntos e corais da igreja, sempre me envolvendo com a música. Aos 14 anos comecei a tocar contra-baixo, meu primeiro instrumento musical, sem qualquer curso ou aula. Com um bom ouvido musical, pela graça de Deus, conseguia discernir na música os tons do baixo, e então tentava repetí-los no instrumento. Desta forma, tocava as músicas, sem nem mesmo saber os nomes das notas, o que foi sendo aprendido ao longo dos anos.  O próximo desafio foi aprender a tocar violão, algo que consegui sozinho ao longo de um ano inteiro, tocando as músicas do Grupo Logos, usando um de seus livrinhos de cifra, e tendo como música inicial: Caminhos. Essa foi a primeira canção que toquei.

Aos 15 anos, comecei a liderar a antiga Unijov (União de Jovens) da Quarta Igreja. Como meus amigos mais chegados eram os mais velhos do que eu, acabei liderando-os na igreja, sendo presidente da Juventude por vários anos. Nesta mesma idade, iniciei um plano de aprender a tocar teclado. Um amigo da época, José Pereira Brum, dono de alguns instrumentos usados na igreja, teve coragem de lhe emprestar seu teclado e, em pouco tempo, Deus me dava a oportunidade de adorá-lo também com aquele novo instrumento musical.

A MISSÃO EVANGÉLICA KÁRIS…

A música me conduziu por um trabalho mais ousado, a Missão Evangélica Káris, fundada por cerca de 40 pessoas, da qual fui o presidente. A Missão promovia eventos evangelísticos, que incluía um retiro espiritual e treinamento de evangelização, e possuía um grupo musical inter-denominacional. Foram feitos bons eventos e deste grupo, boa parte de seus integrantes vestiram a camisa da obra missionária e do ministério pastoral.

A PREPARAÇÃO PARA O MINISTÉRIO…

Com um desejo ardente de ser pastor desde a infância, algo que entendi como sendo Deus falando ao meu coração, e tendo facilidade para a pregação e para agir no trabalho da igreja, ingressei-me em 1990 na Faculdade Teológica Batista de Itaperuna, a fim de estudar o Bacharel em Teologia, o que terminei em 1993. Uma experiência gratificante foi poder estudar ao lado de meu pai, Joaquim Teixeira Dias (in memorian) e de meu cunhado, hoje, também pastor, Éden Picanço Calzolari.

O INÍCIO DO MINISTÉRIO…

Em Abril de 1995, decidi acompanhar o Pastor Hélio Cordeiro de Mello que se mudava para a cidade de Porto Nacional, no novo Estado do Tocantins a fim de conhecer aquele campo. Lá, Pastor Hélio apresentou-me ao Pastor Euzimar Nunes de Souza, um homem de Deus muito dedicado ao seu Senhor, sua família e sua igreja. Com ele aprendi muitas coisas. Ele me enviou para conhecer a Igreja Batista Nova Betel, na cidade de Almas – TO. Fiz algumas atividades junto àquela igreja e depois de participar de um congresso de jovens em Palmas-TO, retornei para Itaperuna. Não demorou mais que 15 dias para que a carta daquela igreja convidando-me para ser seu pastor chegasse em minhas mãos. Foi uma luta tremenda. Tinha medo de sair de minha casa, do meio de meus amigos e familiares para iniciar sozinho, um ministério numa região praticamente desconhecida.

Depois de muito orar, fui convidado para pregar sobre Jonas numa igreja em Itaperuna. Na pregação eu dizia: “Jonas pregaria em qualquer lugar de sua região, menos em Nínive”. Foram palavras suficientes para que fosse despertado e conseguisse a coragem de ir ao Tocantins e iniciar o ministério em Almas. Na minha consagração, Deus me falou muito com o texto de Josué 1:9 que tornou-se o meu texto-base de vida e ministério.

Em Almas, ainda solteiro, chorei por três meses seguidos, naquela fase inicial de adaptação. Não tinha energia elétrica constante, e consequentemente a água também faltava. Uma viagem de 200 km podia levar cerca de 12 horas de ônibus, isto é, quando este passava. Mas Deus estava comigo e as decisões por Cristo começaram a acontecer. A igrejinha de 6 membros ativos, tinha sempre entre 60 a 100 pessoas nos cultos. E no final daquele ano, para Glória de Deus já se contava mais de 40 membros.

OUTROS MINISTÉRIOS

Em dezembro de 1996, a Convenção Batista do Tocantins me convidou para dar aulas no Seminário Teológico Batista do Tocantins e, após aceitar o convite da Igreja Batista do Setor Carajás, (também conhecida como Terceira Igreja Batista de Araguaína) fui para a cidade de Araguaína, iniciar outro ministério pastoral e, agora também, o ministério educacional no Seminário.

Ali fiquei até 2001, quando deixei aquela igreja para assumir o ministério da Igreja Batista de Carolina, em Carolina-MA. Igreja que pastoreei por dois anos, quando fui novamente convidado pela Convenção, desta vez para assumir a direção do Seminário em Araguaína.

Disposto a servir, deixei o ministério em Carolina e voltei para Araguaína, tomando posse na direção do Seminário em 15 de Fevereiro de 2003. Foram dias gratificantes e muito difíceis para quem não sabia nada de administração. Aprendi muito, mas no dia 18 de Junho de 2007, três membros da diretoria da Convenção, juntamente com o seu coordenador-geral, decidiram que eu deveria deixar a função. Acatando aquela decisão, agradeci a oportunidade de ter estado entre eles e de ter podido servir à denominação batista no Tocantins. E, junto com a minha esposa e filho, e certos da aprovação de Deus, decidimos voltar a Itaperuna, onde estive do dia 25 de Junho de 2007 até o dia 20 de Janeiro de 2009.

O ENVOLVIMENTO DENOMINACIONAL NO TOCANTINS

No Tocantins, tive a oportunidade de trabalhar em favor da denominação. Durante quase todo o tempo que por lá permaneci, estive envolvido com questões denominacionais. De 1996 até 2000, fui membro da Junta Administrativa do Seminário Teológico Batista Equatorial (Belém-PA) representando os batistas tocantinenses, naquela junta da Convenção Batista Brasileira. No âmbito estadual, servi como Presidente por 2 anos consecutivos da Associação Batista Centro Norte, e dois anos como secretário-executivo daquela associação. Também participei ativamente como membro do Conselho de Planejamento e Coordenação da Convenção Batista do Tocantins, e desta convenção fui um dos seus vice-presidentes. De 2003 até 2007, fui funcionário da CBT, na função de Diretor do Seminário Teológico Batista do Tocantins. Quando deixei esta função, voltei para Itaperuna-RJ, no Estado do Rio de Janeiro.

Durante os 12 anos de ministério no Estado do Tocantins, fica registrada minha gratidão a todos os colegas e amigos, pastores e missionários daquele campo e, também, à Convenção Batista do Tocantins, pelo espaço e oportunidades concedidas a minha pessoa. Acima de tudo, Deus seja glorificado, pois foi o responsável por tudo.

EM ITAPERUNA

Chegando em Itaperuna, frequentei a Segunda Igreja Batista de Itaperuna por 3 meses. Até que fui convidado pelo pastor Anderson Clayton, da Quarta Igreja Batista de Itaperuna, para ajudar novamente com a música da Igreja, tocando o teclado. Frequentei a Quarta Igreja Batista de Itaperuna, para onde pedi minha carta de transferência. Desde que cheguei em Itaperuna-RJ, tive a oportunidade de lecionar Teologia de Missões e Estágio na Faculdade Teológica de Itaperuna, e Teologia do Velho Testamento no Seminário que fora organizado pela Segunda Igreja Batista de Itaperuna.Trabalhei durante todo o ano de 2008 como professor de informática no Colégio Batista de Itaperuna e num projeto social da Prefeitura Municipal de Itaperuna. Registro aqui minha gratidão ao amigo e, então diretor da Faculdade Teológica Batista de Itaperuna, Pastor Paulo Zarro de Freitas, pelo apoio e companheirismo.

MINISTÉRIO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SÃO FIDÉLIS – RJ

Em 20 de Janeiro de 2009, fui para São Fidélis-RJ com minha família, tomando posse como pastor da Igreja Batista em Nova Divinéia no dia 10 de Fevereiro de 2009.

Os seis primeiros meses neste ministério foram marcantes e Deus  nos permitiu alcançar mais de 14 novas decisões por Cristo, realizamos a Campanha 40 dias de Oração. Realizamos série de mensagens sobre Família. Comemoramos ali do 5º ao 7º aniversário de Organização da Igreja.

Participei da Assembleia Anual da Associação Batista Centro Fluminense e fui eleito 2ª secretário. Também fui eleito 2º secretário da OPBB – Subsecção Centro Fluminense. No ano seguinte, fui eleito presidente da ABACENF, e membro do Conselho da Convenção Batista Fluminense representando a associação.

Em 2014 me tornei membro efetivo do Conselho da Convenção Batista Fluminense até 2016.

MINISTÉRIO ATUAL – NOVA FRIBURGO – RJ

Em 14 de Janeiro de 2012, atendi ao chamado de Deus para assumir o ministério da Igreja Batista em Santa Cruz – Santa Cruz de Salinas – Nova Friburgo.

De lá para cá, temos buscado estar no centro da vontade de Deus para conduzir a Igreja Batista em Santa Cruz ao crescimento espiritual e numérico que ela precisa, conforme a vontade de Deus

Nos utilizamos de vários materiais de estudo, bem como de variadas metodologias na busca pela concretização do sonho de sermos uma forte igreja para honrar e glorificar o nome do nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo.

Em 2014, demos início ao Projeto de Ministérios, dividindo o trabalho com líderes locais em 6 áreas de interesse: ADORAÇÃO, SERVIÇOS, COMUNHÃO, EDIFICAÇÃO, PROCLAMAÇÃO E INFANTO-JUVENIL.

Também neste tempo de ministério, foram criados: a divisão do trabalho em ministérios; os projetos educacionais da EBD (cursos); a Festa da Amizade, realizada anualmente no período do Carnaval e que mobiliza cerca de 500 pessoas todos os anos.

Em 2014, foi realizado o primeiro retiro espiritual da Igreja, em Julho. E também demos início ao almoço “Junta Panelas” realizado todos os terceiros domingos de cada mês, por ocasião da realização da Ceia do Senhor.

De 2014 até 2017 a IBASC ofereceu aos pastores da Região, o Curso de Especialização em Exposição Bíblica, oferecendo o Núcleo Pregue a Palavra, em parceria com a Leadership Resources International e a Primeira Igreja Batista em Atibaia.

A FAMÍLIA PASTORAL

A Família do Pastor Joaquim José da Costa Dias teve início em 18 de Julho de 1998, quando casou-se com a cientista social, Prof.ª Amanda Lacerda Jardim Dias, natural de Itaperuna – RJ. A família ficou mais feliz com a chegada dos filhos: Joel (2005) e Tiago (2013).

O ENVOLVIMENTO DENOMINACIONAL NO RIO DE JANEIRO (CONVENÇÃO FLUMINENSE)

Desde 2010, tenho servido aos batistas fluminenses, sendo membro do Conselho da Convenção Batista Fluminense.

Desde 2012, tenho participado ativamente, servindo a Associação Batista Serrana, sendo desde 2017, seu vice-presidente e Presidente do Conselho Representativo da Associação. Também tenho servido como Professor de Teologia Sistemática no Seminário Teológico Batista Serrano desde 2012.

Em 2017, fui eleito 4º secretário da OPBBFL (Ordem dos Pastores Batistas Fluminenses).

Participo de um movimento conservador, chamado, Coalizão Batista Conservadora, visando uma maior fidelidade às Escrituras na vida e na denominação.

2 comentário em “Quem sou

  • Pr. Joaquim Costa Dias. Bom dia.
    Meu nome é José Silveira, sou membro da PIB de Rio Bonito, RJ
    Sou professor da EBD classe de adultos e nesse trimestre estudamos os livros de 1 e 2 Pedro. Procurando material complementar para minhas aulas na web, deparei-me com sua página “Atos 9”.
    Pastor Joaquim, foi amor a primeira vista, preparei todas as minhas lições a partir de seus textos que são ao mesmo tempo simples e profundos, concisos mas não superficiais, extremamente didático e objetivos. Em resumo, são maravilhosos!!!
    Agora estou lendo e anotando suas considerações sobre Filipenses, meu livro favorito da Bíblia e continuo muito impactado com sua forma de ministrar a Palavra. Deus te abençoe e por favor, produza e escreva mais para sua página.
    Fui procurar conhecê-lo mais e vi que sua igreja fica perto do Parque Estadual dos 3 Picos, região que muito amo por fazer várias trilhas nesse parque com minha família. Quero um domingo visitá-los e agradecer pessoalmente a benção de seu ministério da Palavra.
    Um forte abraço e um feliz 2020 para toda sua família e igreja.
    José Silveira

    • Caro irmão José,
      Muito me alegro em ler suas palavras, pois este site foi criado exatamente para ser uma ferramenta útil nas mãos de homens de Deus, como o irmão.
      Com certeza, mais textos estarão aqui, pois estou trabalhando na exposição do Livro de Atos que adentrará para o ano de 2020.
      Fique à vontade para usar os textos! Toda a glória, no entanto, precisamos encaminhar a Deus, pois é dele a Palavra que alimenta a nossa alma, que nos fortalece e nos motiva. Sou grato a Deus pela possibilidade de expor a Santa Palavra, apontando Jesus, como nosso senhor e cristo.
      E, ficarei muito honrado em receber sua visita em nossa igreja quando puder.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *